Português | English

Histórias

UM MÊS DE DIAS 27

UM MÊS DE DIAS 27

Hoje é dia 27 de abril...

Faz um mês que Lukas partiu.

Amanheci como tenho amanhecido todos os dias desde então: sempre no dia 27 de março.

O que isto significa? Que não estou consolado?

De modo algum. Tenho podido sentir todos os dias do mesmo modo apenas porque tenho tido toda consolação; do contrário, seria zumbificante a dor...

Assim que cri com consciência de vínculo com Jesus, em 1973, eu logo aprendi que se nossa esperança...se limitasse apenas a esta vida, nós seríamos os mais infelizes de todos os homens.

Isto porque um ano antes um amigo meu havia morrido num acidente de moto. Seu pai era um dos homens mais ricos do Estado. E percebido também como homem culto, e cético.

Um ano depois...

Eu havia crido e visto pela fé a eternidade. Tudo havia mudado em mim. Meu desejo era levar as Boas Novas a todos.

Então, soube que o pai de meu amigo ainda andava desconsolado.

Fui visitá-lo. Ouvi dele que aquela dor não teria cura, porque ele não cria em Deus.

Longa foi a conversa. E ela se repetiu muitas outras vezes, por alguns anos...

Ele nunca se recuperou...até o dia de hoje.

E por que?

Sinceramente, para um pai que não tenha esperança em Cristo, a dor dessa separação é, como disse meu amigo Josué Rodrigues, “uma dor insepulta”.

Tenho vivido em paz. Sempre em convívio da família. E meu coração está doce e meigo; muito mais pacificado. Tudo isto enquanto dói...

Coisa linda!

Você pode chorar mesmo crendo na ressurreição.

Jesus chorou!

Cena completamente diferente daquela relacionada ao pai de meu amigo vi acontecer na partida de meu mano, em 1976. Meus pais—todos nós—mergulharam na mais profunda dor consolada.

Paradoxo! O que, em Cristo, não é Paradoxo?

A frase de Paulo “gloriamo-nos nas próprias tribulações” soa quase como masoquista. Mas não é. A seqüência é o nascimento da perseverança, da experiência e da esperança; e, por último, um banho de Graça é derramado nos nossos corações pelo Espírito Santo.

Viver com saúde em Jesus é poder chorar na hora do choro, mesmo que a felicidade da bem-aventurança esteja lavando o coração.

Dói muito menos quando há permissão pra doer tudo. E só há tal permissão se o coração estiver pacificado na esperança da glória de Deus.

Assim, não luto contra o luto...

As roupas dele que vieram para minha casa, e os últimos perfumes dele, ainda não foram mexidos por mim.

Devagar as coisas vão ganhando seu próprio lugar. E o lugar delas é onde estão; só que ficarão cada vez mais suaves e dignas de risos sem lágrimas.

Isto se for natural, pois, para mim, chorar faz bem a alma...

Parece com uma chuva que cai contra lei da gravidade. Cai de baixo pra cima; e vem de dentro pra fora; e vai lavando tudo...até visão fica mais limpa.

Eu creio, por isto é que assim declaro!

Nele, que é esperança certa e já realizada,


Caio