Português | English

Texto em Destaque

RAZÕES PARA OS TEÓLOGOS ME ABOMINAREM!

RAZÕES PARA OS TEÓLOGOS ME ABOMINAREM!



RAZÕES PARA OS TEÓLOGOS ME ABOMINAREM!

Eis aqui apenas algumas razões simples de minha fé, e pelas quais os teólogos me odeiam hoje em dia; embora tenha sido isto mesmo que eu sempre ensinei, inclusive no tempo em que me "adoravam". rsrsrs. A única coisa que mudou é me divorciei faz quase 16 anos. Então, tudo virou heresia!... rsrsrs

Veja as razões do agravo e da minha apostasia, segundo "eles"...

1. Na Teologia Dogmática tem-se uma Filosofia do Absoluto Divino/Sagrado decido pelo consenso teológico dos Concílios. Ora, eu nunca dei a mínima para isto. Li tudo e todos. Mas sempre li como quem lia Platão, na melhor das hipóteses.

2. Na Teologia Sistemática tem-se o Dogma do Interprete (s) selecionador (es) de textos conforme o dogma adotado e feito Teologia Sistemática pelo Concílio que define a crença de um dado "grupo de crentes" na religião cristã. Ora, para mim isso sempre foi escolha de time por afinidades e conveniências presupostas. Sempre achei tolo [...] e hermeneuticamente condicionador do olhar do interprete. Tolo demais!...

3. Jesus, a Chave Hermeneutica. Sim, é assim que cri desde o início. Sim, pois quando Jesus é a Chave Hermenêutica da nossa interpretação bíblica [tanto do V.T. quanto do N.T.], então, não há um dogma anterior... Os Dogmas passam a ser Exclusivamente os Absolutos Explicitados e Encarnados por Jesus. Também não há uma "sistemática" como "consequência do dogma". conforme faz a religião: define o dogma e então cria a sistemática.

O que há em Jesus para mim [...] é que Ele é o único Definidor do Dogma [sendo que Ele é, de fato, o único dogma; e, Nele, o único dogma é amor]; é o único interprete absoluto do Princípio-Dogma-Amor que Ele encarna.

Ora, é porque Ele encarna a Palavra que é Ele mesmo é que no ato de viver Ele a interpreta!

E mais: em Jesus tem-se também "a seleção das relevâncias" para a vida segundo Deus.

Sim, pois todos os temas do Velho Testamento estavam presentes nos dias de Jesus; e nas jornadas que fazia tais temas apareciam. Ora, os temas que foram "impostos a Jesus como problema", Ele tratou; e os que não lhe foram impostos, mesmo estando presentes na existência à Sua volta, Ele decidiu quais eram e quais não eram relevantes como tópicos.

Portanto, mais do que "textos" em discussão o que Jesus apresenta é o "espírito do Evangelho"; não como uma seleção sistemática de textos, mas como uma definição de significados, princípios e importâncias.

Por exemplo: Ele mesmo escolheu coisas e histórias que deveriam ser parte do Evangelho; e, entre elas, Ele decidiu que a história de uma mulher apaixonada por Deus tinha que constar no Evangelho, e não um monte de maldades humanas praticadas pelos religiosos que abominavam aquele tipo de mulher.

E assim é tudo o mais...

Mas é preciso conhecer o Evangelho para entender o que digo!

Teólogos se asfixiam diante de tais realidades insosfismáveis!

Claro! Tal percepção tira o eixo da discussão da interpretação filosófica ou filológica do texto e nos chama para a prática do amor como escrito da vida no chão do mundo; sim, tudo para o meu bem e do meu próximo; posto que este seja o verdadeiro benefício do Evangelho!


Nele, como amor por Ele em você, meu irmão,


Caio

1 de janeiro de 2014

Lago Norte – Brasília

Compartilhe

Deixe um comentário