Português | English

Histórias

PRIMEIRA PASCOA SEM LUK: UMA CADEIRA VAZIA

PRIMEIRA PASCOA SEM LUK: UMA CADEIRA VAZIA

Hoje faz duas semana que Luk partiu.

Tem sido horrivelmente doce, e docemente amargoso.

O estranho é paz!

O sentimento de paz é o de um pai que sabe com certeza que seu filho está “a salvo” dos males desta Terra.

A dor é saudade, e que cada vez mais vai se concentrando nas pequeninas coisas...

Até a chatice dele sempre estar querendo uma grana a mais...e eu duro...me enche de saudades.

Ele nunca me viu zangado com nada em relação e "ele"; exceto nas vezes em que tive que ser forte e duro para arrancá-lo de certos estados.

Então, ele conheceu meu furor apaixonado!

Eu entendi meu filho desde há muito...

Provavelmente ninguém tenha provocado tanto o meu desejo de conhecer a alma humana do que ele.

Ele também me livrou de envelhecer na percepção generacional, pois me obrigou a lidar com os “significados existenciais” de várias novas gerações.

De 1990 em diante ele sempre “sentiu os tempos”, e percebeu “qual era” a de cada geração que acompanhou.

Amanhã vamos todos passar o domingo de Páscoa juntos.

À semelhança da “cadeira de Elias”, como os judeus fazem, visto que deixam sempre vaga um cadeira na festa, no aguardo daquele dia em que o profeta virá outra vez, guardarei uma para ele.

No meu caso—digo: no nosso—, é apenas porque amanhã não será um dia de dor, mas de lembranças boas e engraçadas.

Certamente, como conheço minha família, cada um vai chorar rindo, enquanto falará de alguma coisa engraça dele.

Com meu irmão foi assim....

Nunca nos reunimos para chorar a memória dele, mas para celebrar, rir, gargalhar chorando...até que ficaram somente as graças engraçadas, e o choro deu lugar a uma saudade delicada e sempre presente.

A ironia: eu vou guardar uma uma cadeira para ele à mesa, enquanto ele está assentado à mesa com Abraão, Isaque e Jacó...e uma nuvem de testemunhas.

Boa Páscoa para todos.

Nele, que nos cobriu com Seu sangue,

Caio