Português | English

Histórias

PARA QUEM SE IMPORTA EM COMO ME SINTO…

PARA QUEM SE IMPORTA EM COMO ME SINTO…

 

PARA QUEM SE IMPORTA EM COMO ME SINTO

 

 

Estou de volta do Rio, do Encontro Nacional do Caminho da Graça.

Como sempre, para mim, o Encontro acaba sendo uma ocasião dupla: abraçar e beijar amados irmãos, e, também como sempre, pregar a Palavra.

Infelizmente, entretanto, depois de anos e anos de eventos e encontros, acabo sentindo a necessidade de ficar quieto durante o tempo no qual não esteja pregando...; e isto, agora, neste último evento, com outro agravante: meus netinhos estavam reunidos no Rio — o que deu à Adriana e a mim a chance de estar com eles juntos; e nos divertirmos com eles, tanto quanto vermos a brincadeira e a interação deles.

No fim, além de abraçar a muitos e conversar com alguns, tem-se, ainda que via scanner espiritual, a oportunidade de “ler” alguns estados interiores também, pela energia de cada um, pelos olhos, pelos modos, pelas reações, pelos pequenos jogos psicológicos de quase todos, pela reação à Palavra, e, sobretudo, pela mudança de estados, com novos olhares, novas respostas e, na maioria das vezes, novo animo ao final.

Minha grande certeza acerca desses eventos é aquela que aprendi faz décadas, ao organizar centenas de eventos e de participar de milhares de outros, aqui e no mundo inteiro — estabeleceu-se como realidade suprema em mim, que, o melhor de tais encontros, são os encontros humanos...

Ou seja:

O melhor do evento — especialmente em um tempo no qual todos têm acesso aos mesmos conteúdos que no evento são propostos, aqui mesmo, no site ou na Vem e Vê TV — é o que acontece como encontro entre as pessoas; especialmente os encontros espontâneos, as trocas não programadas, os estímulos permutados em amor, as solidariedades, as identificações de realidades similares, o aprendizado com a experiência de outros, e coisas assim...

Por isto, por mais que me alegre em estar presente pregando, sempre volto com o lamento acerca de minha própria incapacidade de ficar na “praça” do encontro, disponível para todos, esperando chances de conversas, etc...

Pela mesma razão dou graças a Deus pelos meus irmãos, amigos e filhos, mais experientes que a maioria, que, ficam e participam de modo fundamental de todas as coisas; gente boa de Deus como o Marcelo Quintela, o Chico, o Brega, o Adailton, o Alexandre, assim como suas companheiras [entre outros], que, estando presentes, dão-me a certeza de que todos estarão bem assistidos.     

Nada, porém, que não me faça sempre sair do evento orando muito, e pedindo ao Senhor que minha ausência seja mais que suprida pela edificação sincera na Palavra que meu coração transmite com toda intensidade; e isto não apenas em razão de um evento, mas de qualquer que seja a ocasião de pregar, seja para muitos, seja para poucos, seja onde for e como for.

O fato é que, mesmo atendendo pessoas todos os dias, de modos diferentes, tanto em atendimentos individuais, como de casais ou grupos, ainda assim sei que minha alma fica a cada dia mais ermitona, mais ansiosa pelo silencio e pela quietude.

Hoje eu sei que me adaptei tão bem à Internet como forma de me comunicar e de atender pessoas, em razão da minha crescente necessidade de quietude e silencio; pois, agora, enquanto escrevo... tudo à minha volta é apenas som natural de pássaros, de vento farfalhando as arvores, e as vozes distantes dos dois homens que trabalham aqui comigo em obras, todos os dias; e hoje eles estão fazendo algo lá no fundo do quintal, de modo que o som suave da conversa deles é um encanto para a minha alma.

Assim, mesmo lendo cartas doídas e angustiadas, o que me cerca me alivia a alma; e, também por isto, tudo fica mais passível de paradas, de pensadas, de oradas, de alongamento, de interrupção que me seja útil ou necessária, e, sobretudo, fica cheio desta alegria de sentir tudo vivo em mim, e em estado de crescência, de ebulicência e de exultação no amor de Deus.

Hoje não teremos o “Papo de Graça”. Amanhã tudo voltará ao normal durante as tardes. À noite também teremos a transmissão ao vivo aqui da Tenda do Caminho, como em todas as quartas-feiras às 20 horas. Daremos continuidade ao nosso olhar da Vida do Discípulo. Veja no “on demand” da Vem e Vê TV os ensinos sobre o tema anteriormente ministrados, e participe conosco, ainda que amanhã seja para você a primeira vez.

Agradeço ao Pai, neste momento da minha existência, a benção de poder ser ainda útil a milhares de pessoas, sem que isto, como no passado, tenha que ser um ato de auto-mutilação..., um ato contra a saúde do meu ser.

Estou ansioso pela volta do “Papo de Graça” amanhã às 15:30 horas. Espero que você esteja conosco.

...

Por exemplo, agora mesmo tive que parar o que escrevia, pois, o telefone tocou, e como estou monitorando a minha mãezinha, que hoje pela manhã fez um cateterismo, lá em Manaus, e, em razão do evento do Caminho, eu não pude estar presente... — ao ouvir o telefone, logo dele peguei, e, do outro lado, não estavam as minhas irmãs, Suely e Ana, presentes com a mamãe no Hospital, mas sim um jovem do Caminho aqui em Brasília, cuja esposinha amada, nossa amiga querida, estava grávida de sete meses, e, ontem, foi informada de que o neném morreu no seu ventre...

Ela está agora mesmo sendo preparada para uma cesariana. Assim, parei, ouvi, falei com ele, consolei-o no Senhor, e dei a ele a certeza de que tudo está bem, que o filho deles vive, e vive como se tivesse vivido tudo, pois, o tempo não conta quando se entra na consciência da eternidade.

Parei outra vez...

Atendi um irmão que chegou equivocado para um encontro que não haveria... Conversamos... Foi bom que ele tivesse se enganado... Acertamos no coração a consciência de boas resoluções em Deus.

Depois fui até ao fundo do quintal e dei umas instruções sobre a obra...

Sentei... mas o telefone tocou; e atendi... Eram coisas importantes, uma da família, outra de uma pessoa aflita.

Assim, concluo, sem stress, ainda ermitão, porém, em contato com a vida, o tempo todo.

Agora tenho um monte de cartas para tentar a começar a responder.

Tenho que trabalhar muito nas cartas hoje, visto que amanhã meu dia estará cheio de outras coisas...

Portanto, um grande beijo em que se importar com o que sinto!

 

Nele, que é o Senhor de todas as nossas estações de vida,

 

 

Caio

16 de junho de 2009

Lago Norte

Brasília

DF