Português | English

Reflexões

O TRIGO NO CAMPO DO JOIO – eis o Império!

O TRIGO NO CAMPO DO JOIO – eis o Império!

   

O TRIGO NO CAMPO DO JOIO – eis o Império!

 

 

Há um Império de trevas à nossa volta, e, por vezes, com seu poder em e sobre todos nós.

De fato, o ensino do Evangelho é chocante a esse respeito.

É tão forte que se diz que este mundo jaz no Maligno.

Sobreviver neste mundo não é tarefa possível aos humanos.

Sim, pois, sobreviver não é conseguir longevidade e segurança financeira, mas sim manter a sanidade mínima no processo do existir.

Na realidade o que Jesus ensina, e, a partir Dele, no Novo Testamento todo, é que estamos cercados de todos os lados.

Há observadores e interventores visíveis e invisíveis.

Há carrascos. Há verdugos. Há exércitos invisíveis... Há legiões. Há espíritos maus e há outros... Sete Vezes Piores. Há o valente bem armado. Há Belzebu. Há diabo e diabos. Há Satanás. Há Principados espirituais. Há Potestades e Poderes. Há Tronos. Há criaturas impensáveis para nós. Há fantasmas feitos de ódio condensado. Há o Inconsciente Coletivo, para o bem e para o mal.

Há humanos diabos. Há perversos. Há invejosos. Há raivosos. Há homicidas. Há violentos. Há sedutores. Há manipuladores. Há mentirosos compulsivos. Há dissimulados. Há covardes. Há suicidas... Há fantasiosos... Há os que não amam jamais. Há os frios como a morte. Há os adoradores dos prazeres. Há os que vendem... Há os que compram. Há os que fazem disso a sua causa.

Há o mercado...

Há a transformação de tudo em produtos, em necessidades, em imperativos, em urgências, em importâncias, em valores, em princípios, em “sentido”, em filosofia, em ciência, em teologia, em psicologia, em projeto existencial, em religião, em política, em ambições de megalomania nacional e mundial, em surto, em loucura, em entrega da alma ao Império, e, por fim, o fim, que é sempre a dissolução da alma e a morte do espírito.

Ou seja:

A existência é uma Macumba!

Especialmente porque tudo e todos se conectam...

Energias são trocadas...

Olhares e percepções são assimilados sem que se note...

A possessão acontece no silencio...

O diabo se torna “nós”, “eu”, “nosso”...

Então, em um mundo sem amor, sem misericórdia, sem perdão, sem bondade, sem simplicidade, sem compaixão, o que cresce é o gelo da iniqüidade mais perversa e diabólica.

Então as almas se tornam buracos negros insaciáveis...

Pulsam de ansiedade de consumirem tudo!...

E vão bebendo tudo... Goladas e goladas de morte... Embriagam-se de todos os modos, até de bebida.

Já são frágeis de mente e de caráter...

Estando, porém, sob o efeito de qualquer que seja o alterador de consciência, químico ou apenas auto-induzido pela disposição ao surto..., ignorantes das “presenças” humanas e “não-humanas” que estão em todos os ambientes, incapazes de ler e discernir os espíritos — abrem suas almas como se fossem amantes adúlteras ávidas e compulsivas...; e, assim, deixam-se inseminar de todo tipo de fruto de morte.

Todavia,...

Ambientes existem e ficam carregados...

Pessoas existem e ficam macumbadas existencialmente...

O ajuntamento de espíritos humanos mal intencionados, confusos ou perversos, sempre produz aquilo que tais pessoas sejam — só que de modo coletiva e exponencialmente potencializado.     

Quem anda, porém, cheio de Deus, não precisa temer a Macumba do Mundo.

Esse está garantido, pois, todo escrito de divida, de culpa e de conseqüente abertura para tais poderes espiritualmente adversos e oportunistas, foi quebrado quando a pessoa creu no que Jesus já fez e consumou para o bem e segurança total de todo aquele que crê.

Porém, viver sem essa consciência e prática em fé é como andar em brasas vivas crendo que seja um tapete de honra...

Ora, é justamente isto que o Império faz...

Ele faz tudo parecer conforto, conquista, honra, poder, status, vantagem, esperteza, malandragem, superioridade, ou coisa normal da vida...

Entretanto, hora em que tudo dá errado o Império manda seus súditos questionarem a Deus!

É tamanha é a sagacidade do Império que ele consegue fazer todas as desgraças com o homem agradecendo..., e, na hora em que o resultado aparece, o Império diz que a culpa é de quem criou o Imperador.

E o homem acredita...

E, assim, briga com Deus, blasfema contra os céus, aborrece-se de Deus.

Sim, do Deus que ele nunca conheceu, nem serviu e nem obedeceu.

Mas é supostamente contra Ele que levanta a sua voz desde tempos imemoriais.

É por isto que Paulo com certeza afirma que o “deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos a fim de que não dêem crédito à verdade do Evangelho”.

No fim a história não é a do joio no campo de trigo. No fim a história é a da sobrevivência do trigo nos campos de joio.

No fim é tão visceral a relação entre o joio e o seu semeador, o diabo, que um e outro vão se tornando a mesma coisa...

Por isto, quanto mais estejamos já vivendo assim [e quando não foi assim de um modo ou de outro?] impõem-se que o trigo se misture com o seu Semeador de tal modo que no trigo não haja mais nem sinais do joio.

Digo isto apenas para que você não se equivoque quanto ao fato de que o Mundo é a Macumba.

Então, como mandou Jesus: “Seja cauteloso!”

Ou simplesmente: “Fique esperto!”

 

 

Nele, que disse: “Aí vem o Príncipe deste mundo, e ele nada tem em mim”,

 

 

Caio

3 de abril de 2009

Lago Norte

Brasília

DF