Português | English

Reflexões

O MUNDO PODE MUDAR COM UM SONHO

O MUNDO PODE MUDAR COM UM SONHO

O MUNDO PODE MUDAR COM UM SONHO

 

À todo aquele que pensa que Deus não fala de Si mesmo a quem quer, e como bem entende, segue o testemunho de um homem que se tornou símbolo de poder terreno na Bíblia, o Rei Nabucodonozor.

Com sua própria boca ele nos conta quem é Deus. Leiamos o que ele próprio nos diz acerca da soberania de Deus sobre todos os homens, não importando se são grandes ou pequenos.

Também tenhamos em mente a doçura do amor de Deus por todo ser humano, mesmo aqueles que aos nosso sentidos estão para além do alcance da mão de Deus.

E não deixemos de observar como até entre aqueles a quem sempre atribuímos maldade, pode estar havendo algum desígnio de Deus; afinal, nem tudo o que Deus disse acerca das “obras” de Nabucodonozor era mal; mau era Nabucodonozor.

Todavia, há um insistente amor de Deus por ele; a tal ponto que o Senhor decide tratar, pessoalmente, daquele homem tão estranho.

Porém mais estranha ainda é a decisão de Deus de deixar para Nabucodonozor uma “cepa”, um tronco, uma esperança de recomeço.

____________________________________________________________

 

 

Eu, Nabucodonozor, rei de muitos, a todos os povos, nações, e línguas, que moram em toda a terra: Paz vos seja multiplicada. Pareceu-me bem fazer conhecidos os sinais e maravilhas que Deus, o Altíssimo, tem feito para comigo. Quão grandes são os seus sinais, e quão poderosas as suas maravilhas!

O seu reino é um reino sempiterno, e o seu domínio de geração em geração! Eu, Nabucodonozor, estava sossegado em minha casa, e próspero no meu palácio. Então, tive um sonho que me espantou. Eu estava na minha cama...

Os pensamentos e as visões da minha cabeça me perturbaram como nunca antes. Tal perturbação me fez expedir um decreto. Quem não tem discernimento apela para o decreto. No meu decreto determinei que fossem introduzidos à minha presença todos os sábios de Babilônia, para que me fizessem saber a interpretação do sonho que tanto me perturbara. Então vieram os magos, os encantadores, os sacerdotes caldeus, e os adivinhadores...

Reuni-os e lhes contei o sonho. Eles, todavia, não me fizeram saber a interpretação do mesmo. Por fim entrou na minha presença Daniel, cujo nome babilônio é Beltessazar— segundo o nome do “deus” que eu cultuara até então! Sobre Daniel há o espírito dos deuses santos... Eu lhe contei o sonho, dizendo: Ó Beltessazar, chefe dos magos; porquanto eu sei que há em ti o espírito dos deuses santos, e nenhum mistério te é difícil, dize-me as visões do meu sonho que tive e qual é a sua interpretação. Eram assim as visões da minha cabeça, as imagens de meu perturbador sonho: Eu olhava...e eis uma árvore no meio da terra, e grande era a sua altura.

Crescia a árvore...e se fazia forte, de maneira que a sua altura chegava até o céu, e era vista até os confins da terra. A sua folhagem era formosa, e o seu fruto abundante, e havia nela sustento para todos. Debaixo dela os animais do campo achavam sombra, e as aves do céu faziam morada nos seus ramos, e dela se mantinha toda a carne.

Eu via isso nas visões da minha cabeça, estando eu na minha cama...então eis que vi um vigilante celestial, um santo anjo, e que descia do céu. Ele clamou em alta voz e disse assim: Derrubai a árvore, e cortai-lhe os ramos, sacudi as suas folhas e espalhai o seu fruto; afugentem-se os animais de debaixo dela, e as aves dos seus ramos. Contudo deixai na terra o tronco com as suas raízes, numa cinta de ferro e de bronze, no meio da tenra relva do campo; e seja molhado do orvalho do céu, e seja a sua porção com os animais na erva da terra.

E disse ainda mais: Seja mudada a sua mente, para que não seja mais a mente de um homem, e que lhe seja dada mente de um animal...e assim passem sobre ele sete tempos. O que penso que sei, Daniel, é que esta sentença é por decreto dos vigilantes, e por mandado dos santos altíssimos....a fim de que conheçam os viventes que o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens, e o dá a quem quer; e até o mais humilde dos homens constitui sobre eles.

Este sonho eu, rei Nabucodonozor, o vi. Tu, pois, Beltessazar, dize a interpretação...porquanto todos os sábios do meu reino não puderam fazer-me saber a interpretação; mas sei que tu podes...pois há em ti o espírito dos deuses santos. Então Daniel, cujo nome era Beltessazar, esteve atônito por algum tempo, e os seus pensamentos o perturbaram.

Então falou Nabucodonozor a Daniel e assim lhe disse: Beltessazar, não te espante o sonho, nem a sua interpretação! Respondeu Daniel ao rei, e disse: Senhor meu rei, desejaria que este sonho fosse para os que te odeiam, e a sua interpretação para os teus inimigos. Eis a interpretação do sonho que tiveste:

A árvore que viste, que cresceu, e se fez forte, cuja altura chegava até o céu, e que era vista por toda a terra...cujas folhas eram formosas, e o seu fruto abundante, e em que para todos havia sustento, debaixo da qual os animais do campo achavam sombra, e em cujos ramos habitavam as aves do céu—sim, meu rei—esta árvore és tu! Tu és aquele que cresceste, e te fizeste forte. A tua grandeza cresceu, e chegou até o céu, e o teu domínio até a extremidade da terra.

E quanto ao que viu o rei, um vigilante, um santo, que descia do céu, e que dizia: Cortai a árvore, e destruí-a; contudo deixai na terra o tronco com as suas raízes, numa cinta de ferro e de bronze, no meio da tenra relva do campo; e seja molhado do orvalho do céu, e seja a sua porção com os animais do campo, até que passem sobre ele sete tempos!—esta é a interpretação. Trata-se, ó rei, de um decreto do Altíssimo, que é vindo sobre o rei, meu senhor! E assim será contigo: Serás expulso do meio dos homens, e a tua morada será com os animais do campo, e te farão comer erva como os bois, e serás molhado do orvalho do céu, e passar-se-ão sete tempos por cima de ti...até que conheças que o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens, e o dá a quem quer!

E quanto ao que foi dito, que deixassem o tronco com as raízes da árvore...o significado disto é que o teu reino voltará para ti, depois que tiveres conhecido que o Céu Reina. Portanto, ó rei, aceita o meu conselho, e põe fim aos teus pecados, praticando a justiça, e às tuas iniqüidades, usando de misericórdia com os pobres, assim, talvez se prolongue a tua tranqüilidade. Tudo isso veio sobre mim...sim...sobre mim, rei Nabucodonozor!

Ora, saibam todos que ao cabo de doze meses, quando passeava sobre o meu palácio real de Babilônia, eu já havia esquecido o sonho. Sim! o sonho já havia ficado para trás; já não me perturbava; pois talvez pensasse que uma vez tendo sabido sua interpretação, tivesse ficado livre de seu vaticínio. Então, falei e disse: Não é esta a grande Babilônia que eu edifiquei para a morada real, pela força do meu poder, e para a glória da minha majestade? Ainda estava a palavra na minha boca quando caiu uma Voz do Céu sobre mim, e disse: A ti se diz, ó rei Nabucodonozor, e já está feito: Passou de ti o reino. E serás expulso do meio dos homens, e a tua morada será com os animais do campo; far-te-ão comer erva como os bois, e passar-se-ão sete tempos sobre ti, até que conheças que o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens, e o dá a quem quer.

Na mesma hora a palavra se cumpriu sobre mim...e fui expulso do meio dos homens...e comia erva como os bois...e o meu corpo foi molhado do orvalho do céu...até que me cresceu o cabelo como as penas da águia, e as minhas unhas como as das aves...

Mas ao fim daqueles sete tempos, eu, Nabucodonozor, levantei ao céu os meus olhos, e voltou a mim o meu entendimento; e eu bendisse o Altíssimo, e louvei, e glorifiquei ao que vive para sempre!

Aprendi que Seu domínio é domínio eterno, e o Seu reino é de geração em geração! Aprendi também que todos os moradores da terra são por Ele reputados em nada, e que segundo a Sua Vontade Ele opera no mundo que não vemos, com Seus exércitos do céu; e faz Suas obras entre os moradores da terra.

Aprendi que não há quem lhe possa deter a mão, nem lhe dizer: Que fazes? No mesmo tempo voltou a mim o meu entendimento. E para a glória do meu reino voltou a mim a minha majestade e o meu resplendor. Buscaram-me os meus conselheiros e os meus grandes.

Assim, fui restabelecido no meu reino, e foi-me acrescentada excelente grandeza. Agora, pois, eu, Nabucodonozor, louvo, exalto, e glorifico ao Rei do Céu, porque todas as Suas obras são retas, e todos os Seus caminhos são justos. Ele é aquele que pode humilhar aos que andam na soberba! ____________________________________________________________

 

 

Agora, digo eu: O Senhor reina! Ele levanta, e Ele abate! Bem-aventurado é todo aquele que não luta contra a Sua soberania!

Ai de todo aquele que pensa que em si mesmo é alguma coisa! Pobre de todo aquele que pensa que O conhece, mas que não se dobra sob Sua majestade!

 

Minha oração é que Ele visite com sonhos desse tipo os atuais reis da Terra.

Quem tiver ouvidos, que ouça o testemunho do Rei Nabucodonozor!

 

 

Caio