Português | English

Reflexões

NÃO TENHA MEDO DO AMOR!

NÃO TENHA MEDO DO AMOR!

 

 

 

 

 

NÃO TENHA MEDO DO AMOR!

 

 

 

Se sem amor nada aproveita, então, sem amor não há vida, pois, caso qualquer coisa gerasse vida, o amor seria apenas uma outra alternativa de vida como existência.

 

Quando Paulo disse que o amor era o caminho sobremodo excelente, ele não dizia que sem amor há um caminho de vida, ainda que inferior.

 

Não! Afinal, João decretou que Deus é amor, e, também, que aquele que ama conhece a Deus, e que quem não ama jamais o viu.

 

O amor não é romântico e nem fantasioso. O amor lida com o que é; sem ficção. Nele cabe o romance quando essa é a relação, mas suas bases são bases de verdade e realidade.

 

Amar é, segundo Jesus, uma decisão espiritual a ser praticada em relação a tudo e todos.

 

No entanto, o amor tem que ser como o de Jesus. Amor diferente do amor de Deus não é amor.

 

Pode-se ver Jesus escolhendo amigos livremente. No entanto, Ele nunca escolheu a quem amar. Ele amava quem Ele via e passava o Seu caminho.

 

Sim! Amava sempre. Amou os amigos e discípulos, mas amou a todos os inimigos.

 

E quando se diz que Ele amou alguém, como foi com o “jovem rico”, se o vê amando sem romance. Não! Ele ama apenas com amor, não com emoções empolgadas.

 

Também se vê que no amor de Jesus o objeto do amor, o “jovem rico”, mesmo amado, é deixado seguir o seu caminho de auto-engano. Afinal, o amor deixa livre sempre.

 

De fato, o amor não é dono de nada e nem de ninguém.

 

Quem ama não possui e nem é possuído.

 

O amor não é um encontro de serpentes famintas engolindo uma a outra.

 

Amar o inimigo é uma decisão, assim como amar a mulher que um dia se amou e se ama.

 

Entre homem e mulher o amor quase sempre surge como paixão, desejo e encantamento; porém, somente se mantém como amor mesmo, o qual não tem nada a ver com as miragens iniciais do amor embrionário, se for alimentado pela decisão de amar.

 

Muitas vezes ouço as pessoas dizerem que querem um amor.

 

Penso:

 

Não quer amor nada. Quer apenas um Pet para possuir e ser possuído.

 

Afinal, quem ama não quer nunca um amor, pois pode amar a todos, indiscriminadamente.

 

Quem quer um amor quer uma posse, quer um objeto, quer um domínio de propriedade humana.   

 

Cada dia mais é minha convicção que aquele que cresce em amor cresce em tudo na vida; da mente aos atos de vida verificável.

 

Quem quer expandir a mente deve amar, pois, somente no amor pode-se crescer para atingir o que quer que seja nosso maior potencial nesta vida e na vida porvir.

 

É triste ver que as pessoas creiam que o amor é apenas um confeito de bolo fraterno e humano, sem que vejam que o amor é a própria vida, e que um ser humano estará tanto mais vivo quanto mais amar com o único amor que existe em projeção eterna: o amor de Deus, que é aquele que tudo sofre, tudo crê, tudo espera e tudo suporta; e que jamais acaba.

 

O amor pode mudar de configuração conforme a relação. Porém, uma coisa que o amor não sabe é desamar.

 

Não há mistério. Sim! Vida é amor; e quem ama está no caminho de todas as coisas.

 

O amor é a síntese única de tudo o que faz a existência acontecer.

 

E se estamos falando da vida no espírito, nada há que possa ser real e verdadeiro sem amor.

 

Portanto, quem quer vida eterna, que busque amar; fazendo as decisões do amor todos os dias. Sim! Sem nunca se arrepender do amor.

 

 

 

 

Caio

15 de dezembro de 2008

 Lago Norte

Brasília

DF