Português | English

Reflexões

NÃO SEJA UMA BLASFÊMIA FAMILIAR

NÃO SEJA UMA BLASFÊMIA FAMILIAR

 

 

 

   

NÃO SEJA UMA BLASFÊMIA FAMILIAR

 

 

Se alguém não cuida dos seus, especialmente dos de sua própria casa, tem negado a fé, e é pior do que o incrédulo.

 

[Paulo – I Timóteo 5]

 

 

Honra teu pai e tua mãe é um mandamento da Graça, pois é o mandamento com Promessa. Além de ser um mandamento do amor que propõe e não do medo que se retrai.  

 

Cuidar de pai e mãe e de todos os nossos é o mandamento. Sim! E deve-se assim ser e proceder mesmo quando o cuidar tenha que ser feito de cuidados pedagógicos e por vezes com disciplina e sabedoria. Entretanto, normalmente deve ser um mandamento que nos faça afetivamente meigos e materialmente atentos e generosos. Por isso, é mandamento que carrega a promessa de que tal atitude chama tudo de bom para quem a pratica.

 

Na língua hebraica honrar pai e mãe significa pesar, discernir, entender, aprender e, se possível, melhorar pai e mãe em nós, para o nosso bem e para a honra deles.

 

“Corbã” era o nome do “jeitinho” que os sacerdotes do Templo de Jerusalém deram ao casuísmo que ensinava que se alguém que fosse ajudar pai, mãe ou irmão, e por alguma razão não o desejasse fazer, tal pessoa poderia ir ao Templo e dizer: “O que seria deles, dou a Deus” — dando de fato aos sacerdotes. 

 

Ora, Jesus chamou isto de abominação [Marcos 7]. E diz que os que assim procedem, tanto os que ensinam como os que obedecem perversamente tal mandamento de homens, são como árvores que o Pai não plantou; ou seja: são joio em seu proceder; e, por isso, serão devidamente arrancadas...

 

Se digo que conheço a Deus, a Deus que é amor, e não saio de tal experiência e convívio em fé cheio de amor — então, de fato, segundo Jesus, João e todo o ensino do Novo Testamento —, eu nunca conheci a Deus; pois, Deus é amor.

 

Afinal, se Deus é amor, quem quer que o conheça ama com todas as formas genuínas de amor o próximo; posto que a prova do amor a Deus no mundo, é minha disposição de amar e acolher meu próximo em Graça.

 

Assim, não cuidar dos meus, dos de minha casa, não importando qual seja a causa por mim alegada para que, podendo, não os ajude, é a própria negação da fé no Deus que é amor.

 

Ora, é assim em relação a qualquer homem na terra, mas, em se tratando dos que são “nossos”, se nem mesmo por eles eu me importar, tal atitude é um atestado de total inafetividade, o que é incompatível com a confissão da fé em Jesus.

 

Assim, filhos que não cuidam de seus pais, mesmo que confessando Jesus com os lábios, são ainda piores que os pagãos mais cínicos e incrédulos; posto que estes não dizem crer no Deus que é amor.

 

Do mesmo modo, pais que deixam seus filhos e os esquecem nesta vida, são piores do que bruxos perversos.

 

Assim também ex-maridos que não se preocupam com o futuro da antiga companheira, são também seres que nunca conheceram o Evangelho.

 

Portanto, divórcios litigiosos de cristãos significam vergonha total e completa negação da fé; especialmente para o propositor da demanda, ou para aquele que, pela usura, cria o ambiente da demanda.

 

Não levante as mãos em adoração se antes você não as tiver estendido na direção do próximo, e, entre tais, àqueles que são sua carne e seu sangue; ou que são os que compartilharam a vida com você.

 

Hoje o que se vê são as “igrejas” inventando que o que se tinha para por em casa, antes se deve dar ao sacerdote dessa “aliança com a mentira” chamada de “Prosperidade”.

 

Eu, porém, digo a você: se o dinheiro que você tem para dar à “igreja” é o único que você teria para ajudar a sua mãe, não pense duas vezes; pois, fazer tal coisa por amor e gratidão é infinitamente mais agradável a Deus do que qualquer dizimo e oferta que se “desvie” do compromisso imediato para com os “nossos, os de nossa própria casa”, para qualquer que seja a causa.

 

O que Jesus diria em tal caso, com todo equilíbrio, seria o que Ele disse em situação parecida:

 

Devíeis dar o dizimo do endro, do cominho e das hortaliças, sem deixarem de também demonstrar os que são os mais importantes valores da Lei da Vida: a fé, a misericórdia e o amor. Sim! Deveis fazer estas coisas sem omitir aqueles outras.

 

Assim, como o dogma de Jesus é o amor, só se manifesta fé que agrade a Deus, se tal fé se veicular pelo amor.

 

Não é difícil de entender, é?

 

 

Nele, em Quem não há jeitinhos,

 

 

 

Caio

 

05/10/07

Lago Norte

Brasília