Português | English

Reflexões

JOGOS & JOGOS NUMA TERRA CAÍDA

JOGOS & JOGOS NUMA TERRA CAÍDA






JOGOS & JOGOS NUMA TERRA CAÍDA

 

Tudo é jogo neste mundo caído.
Jogo consciente.
Jogo inconsciente.
Mas é jogo, e nós nem sempre nos damos conta disso.
A prova mais cabal desse “Game” que se instalou como sistema de interpretação e também de prática humanos, nos vem do próprio Trama que "Historificou" a Cruz.

Se não, veja:

Temos Jesus e seus discípulos.
Um movimento cresce...
Curas, milagres, doutrina que se difere de tudo e todos; autoridade nunca vista, e um sentimento de maravilha que domina a tudo e todos: Deus visitou os homens!

O povo é apenas o povo.
O povo não luta contra curas, milagres, maravilhas, e bondades distribuídas gratuitamente. Sim! o povo nunca teve nada contra isso, pois, as pessoas do povo são sempre as maiores beneficiárias da Graça.
Quem está morrendo de dor só quer alívio...

Mas nós sempre temos mais que o povo.
Havia alí outros poderes, outros principados e potestades históricos em operação.

Havia o Sinédrio dos Judeus: a Religião na sua mais ousada e segura certeza de autoridade medianeira entre Deus e os homens, onde tudo o que dissesse respeito a Deus, era objeto da “gestão” dos sacerdotes e de seus oficiais.

Havia Roma: A Política que se apresenta como poder político. E seus representantes estavam presentes na judéia nos dias de Jesus, como em qualquer outro lugar.

Haviam as seitas e grupos religiosos, que naqueles dias tinham também seu papel político a cumprir. Cada um representava uma visão não apenas religiosa, mas também uma interpretação política do mundo: saduceus, fariseus, os escribas dos fariseus, os escribas dos saduceus; e os demais grupos: zelotes, sicários e essênios...

Cada um com sua própria agenda de interesses imediatos, sempre relacionados à busca de poder temporal.

Mas quem desestabiliza tudo é sempre o povo!

Todos os que não se sentem povo—em qualquer lugar, tempo ou cultura da Terra—, alimentam-se do povo, e do poder que dele emana, no mínimo como força de trabalho, ou de massa de autenticação de autoridade.

De súbito, há Jesus, os discípulos e multidão do povo...
E não era apenas o povo controlável que seguia a Jesus: haviam os que vinham de outras fronteiras, sem falar que a mensagem do Evangelho se infiltrava em literalmente todas as camadas da sociedade.

Então, primeiro mobilizam-se as seitas: fariseus, saduceus—e seus escribas!


Esgrimam com Jesus, disputam a veracidade de Seus feitos e palavras.


Interpelam-no.


O Evangelho nos dá testemunho vasto desse encontros, muitos deles extremamente tensos.


As interpretações que daí advêm são as mais perversas:


“Tem demônio!”


“Samaritano possesso!”


“Glutão, beberrão, amigo de pecadores!”


“Embusteiro!”


São apenas algumas das afirmações coladas como “label” em Jesus.

Mas o povo continuava a vir e a receber.


O trama todo é o próprio Evangelho; seria, portanto, impossível tratar do sistema todo sem que para isso se tivesse que escrever um livro.
Não é o caso aqui...

Lázaro ressuscita depois de morto há quatro dias, e, tal fato acaba sendo a “gota final” a fim de que as autoridades religiosas decidam matar a Jesus.

“Se o deixarmos, o mundo virá após ele; e os romanos nos tirarão o poder”—considerava o Sinédrio.

Mas como o Sinédrio haveria de matá-lo?

O falso profeta sempre está em conluio com alguma besta política, conforme o apocalipse!

Então, o Sinédrio faz duas coisas:
1. Esconde-se atrás do pretexto de que a questão era religiosa; sou seja: Jesus era um herege. Isto para confundir o povo!


2. Apresenta o caso a Roma como sendo religioso com implicações políticas. E pede a Roma—representada em Pilatos—,que faça alguma coisas, para se auto-preservar de uma possível sublevação do povo, e, conseqüentemente, também para preservá-los como os mediadores da estabilidade e da paz social.

Esse é o “esqueminha” de sempre!

Daí pra frente é só um jogo de empurra...

É o Sinédrio empurrando para Pilatos autenticar; Pilatos “não entendendo” e lavando as mãos, abrindo assim o caminho para “outras mãos” que desejam matar se expressarem, agora com o aval silencioso e omisso da Política. E também haviam os “partidos”, mobilizando uma “militância” comprável a fim de fazer algum barulho em Jerusalém.

A mulher de Pilatos ouviu falar do “julgamento” e assustou-se, havia sonhado o desfecho do caso.


“Não te envolvas com este justo, pois, em sonho muito sofri a seu respeito”—disse ela.


Não era mais possível: o jogo estava feito, e Pilatos estava dentro, sem nem bem saber o quão envolvido estava.

O resultado é a crucificação.


O fato é a Cruz.


Mas a motivação não era nem política, nem religiosa, nem de qualquer outra natureza que não fosse a mais psiquicamente animal de todas as motivações entre os humanos: a inveja!

Assim, os pretextos são muitos e variados, mas as guerras de fato militam é na carne!

Por trás de todos esses jogos o que há sempre é a basicalidade da inveja e dos pequenos interesses.

Se todos fossem apenas povo, a inveja se manifestaria do modo como ela se manifestou nos Evangelhos:

Senhor, será que dá para os meus filhos se assentarem ao teu lado no teu reino?—propunha a mãe de Tiago e João.

E discutiam pelo caminho quem era o maior entre eles—confirma o evangelho.

E assim vai...

Mas não há o jogo homicida.
O próprio Judas, a fim de trair, teve que encontrar a interface da Religião a fim de negociar.
Um Judas sozinho não faz crucificação!

O que aprendemos?
Bem, você é que sabe!


De minha parte, está tudo explicado.


O que move o povo é a necessidade.


O que move as seitas é a arrogância da presunção da verdade.


O que move Pilatos é a política e a necessidade de não complicar a sua própria “gestão”.


O que move o Sinédrio é o medo de perder o poder.


O que move Judas é desapontamento...


Mas e o jogo?


Ora, o que há por trás do jogo, é o de sempre: inveja dissimulada!

Por trás de todas as nossas grandes “causas” o que há é apenas insegurança, pois, a inveja, é a filha mais perversa que a insegurança consegue gerar. O ciúme é o filho mais fraco, porém altamente recrutável para qualquer que seja a missão, inclusive, de morte.

No fim, ninguém matou apenas porque todos mataram...


E os pobres dos verdugos são sempre os menos culpados; a final: eles não sabem o que fazem!


Caio


Escrito em: 17/09/2003