Português | English

Reflexões

EU CONFESSO QUE CAIO EM MIM MESMO!

EU CONFESSO QUE CAIO EM MIM MESMO!

 

EU CONFESSO QUE CAIO EM MIM MESMO!

 

Todos os dias descubro o quão cheio de mim mesmo eu sou.

Nego o “si-mesmo”, mas o eu-mesmo se disfarça de outras coisas.

O meu "eu-mesmo", que é o si-mesmo estrebuchante..., aparece muito como síndrome do eu-real, porém, cheio de cansaços, especialmente com a burrice ou a impropriedade.

Meu eu-mesmo pode irritar-se até pelo que não viu..., costuma se exaurir pelo que seja burro ou impróprio, ou excessivamente distraído, ou cansativo, ao chato, ou previsivelmente evitável, ou sem propósito...

Meu eu-mesmo abomina os espontaneismos atropelantes perpetrados contra a minha alma... Fica exaurido com o descuido que fere, com a ingenuidade que afirma o que não sabe, com as certezas simplificantes e sem necessidade, com as complexidades igualmente desnecessárias. Desfalece ante acontecimentos pequenos feitos imensos; ou o oposto: fatos imensos feitos pequenos...

Pouca coisa mais ofende o meu eu-mesmo do que memória seletiva; quando o mal fica horrível para sempre, mesmo que tenha havido bons momentos; ou o oposto: longos e constantes mal vivencias esquecidas pela fantasia de episódios supostamente bons...

Graças a Deus identifico o meu “si-mesmo” no seu disfarce de “eu-mesmo”, pois, caso não o fizesse, morreria cansado e irritado; e pior: achando que a culpa era dos outros.

Graças também a Deus pela Luz que ilumina a escuridade e que nada mais é do que a verdade que liberta pelo patenteamento da realidade interior.

 

 

Nele é que faço esta confissão de desejo de ser apenas eu, Nele, e nada mais,

   

Caio

16 de abril de 2009

Copacabana

RJ