Português | English

Histórias

CIRO MEU FILHO AMADO: Feliz aniversário!

CIRO MEU FILHO AMADO: Feliz aniversário!

 

 

 

 

 

CIRO MEU FILHO AMADO: Feliz aniversário!

 

 

 

 

Hoje, há 31 anos, o Ciro nascia no Rio, no Hospital da Marinha.

 

Dores. Muitas foram as dores de sua jovem mãezinha. Eu, de fora, orava. Havia subido em calçada e meio-fio para chegar a tempo. Orava mais... Demorava. Andava ansioso pelo corredor. Todos os meus parentes estavam em Manaus. Eu tinha 21 anos.

 

“Nasceu”, me disse uma enfermeira.

 

Não me contive. Uma alegria gestada em mim desde a infância (pois, foi aos sete anos que pela primeira vez desejei ardentemente ser pai - freek) explodiu como um vulcão de amor.

 

Dancei no corredor do hospital. Olhavam-me de longe e nada entendiam.

 

Quando o trouxeram para o quarto, tomei-o e entrei com ele no banheiro. Levantei-o aos céus e o devolvi ao Seu dono e Senhor. Depois dancei com ele. Rodei de alegria indizível.

 

Ciro. Sim. Por causa de Isaías 45, nossa certeza de benção sobre ele. Ele realmente veio para quebrar portas de bronze.

 

Hiper-ativo. Superdotado. Horrivelmente inteligente. Nada passava por ele. E sua cultura começou com a audição, a visão, a observação, para, logo abrir os livros, ainda bem pequeno, e consumir tudo, e saber tudo, e não se saciar com nada, e me levar à exaustão de tentar dizer sem saber como, até chegar o tempo em que era ele quem me explicava; e esse tempo chegou logo.

 

Distraído como só ele. Vivia em estado de paralelismo dimensional. Mas de súbito entrava no mundo, mostrando que dali não se ausentará, introduzindo-se com uma observação tão inteligente quanto engraçada, ou tão própria quanto aparentemente escrachada.

 

Corajoso. Nunca se escondeu. Deu sempre as caras com verdade. Me mostrou que sua dignidade era maior do que tudo. Amo o homem que Deus me deu como filho primogênito.

 

Nunca foi de se envolver muito nas questões do dia a dia. Mas sempre que precisei... ele foi bravo, forte, presente, e solidário até o fim; em tudo.

 

Lukas tinha para com ele grande divida de gratidão. Pois, foi o Cirinho quem nos últimos anos mais me ajudou a ajudá-lo, e sempre mediante os modos mais diretos, práticos, objetivos, honestos e sábios.

 

Quando o Lukas partiu Ciro se internou comigo o mês inteiro. Tive nele meu consolo mais quieto, ao lado da Adriana, ao pé da cama.

 

Te amo Cirinho!

 

Feliz aniversário!

 

 

De seu Dad grato ao Pai que deu você a mim,

 

 

 

Caio

 

12/05/07

Lago Norte

Brasília