Português | English

Opinião

Optimistas Profetas

Optimistas Profetas

Hoje a noite apareceu no Jô Soares um grupo musical chamado Os Optimistas. Minha atenção se tornou imediata quando reconheci um dos integrantes do grupo, o cartunista Aroeira. Fui apresentando ao Aroeira por Jorge Antônio Barros, naquele tempo diretor e jornalista responsável pela Revista Vinde, hoje Eclésia. Aroeira e eu conversamos algumas vezes e ele me impressionou imensamente bem como pessoa humana. O grupo é uma espécie de Juca Chaves coletivo e aplicado ao estilo e às pertinências dos nossos tempos. Uma delícia ouvi-los. Engraçados, inteligentes, espontâneos e finos. Paródias, sátiras, cartunização musical, musicalização política e geográfica, banalidades apropriadas, etc...fazem do grupo um espetáculo gostoso de ver. O fato de todos terem suas próprias profissões também os libera do espírito “artístico-profissional” que, na maioria das vezes, des-autentica muitos artistas. Parece sempre que a melhor fase de um profissional é quando ele ainda é amador. Ao final eles brindaram o público com uma música chamada Prosperidade, baseada nos “pastores e igrejas de prosperidade” que há espalhadas em abundancia neste país. E o pior: tudo o que disseram era verdade! Aliás, para quem é “de dentro” e transita nos “bastidores” ficou mais uma vez claro que Os Optimistas são inteligentes e finos. Pegaram leve. Disseram tudo, fizeram trocadilhos preciosos, insinuaram, deixaram claro, cobriram de novo, explicitaram, disfarçaram, parabolizaram, caricaturaram de maneira própria, e fizeram brincadeira com aquilo que só dá para levar a sério se for na brincadeira. Enfim, profetizaram... Até as pedras clamam. Quem for sábio que ouça a profecia que vem de todos os lados. Quem tiver ouvidos ouça Os Optimistas. O que eles disseram, honestamente, é verdade! Quem puder se reconhecer que se reconheça. Quem não puder...discirna. Quem é...converta-se. Quem não é...não esquente a cabeça. Afinal, só se zanga com Tim Tones quem Tim Tones é! Caio Fábio