Português | English

Opinião

NÃO QUERO O JUÍZO DOS QUE ODEIAM ISRAEL!

NÃO QUERO O JUÍZO DOS QUE ODEIAM ISRAEL!

 

 

 

 

NÃO QUERO O JUÍZO DOS QUE ODEIAM ISRAEL!

 

 

Orai pela paz de Jerusalém!

 

 

 

Todo ser poderoso atrai ódio, não importando se a pessoa é boa ou má; sim, se o poder que tal pessoa ou entidade possuam for realmente inegável, o ódio que advém da inveja se manifesta sempre.

 

Ora, se tal pessoa, povo ou entidade de poder for também um ente pequeno e sem razão para ter o poder que possua, mais ódio ainda receberá.

 

E mais: se tal ente for também historicamente o mais durável e influente do mundo, apesar de pequeno e perseguido, tendo construído o seu poder apesar de tudo e todos, maior ainda será o ódio.

 

Ainda:

 

Se tal poder carregar consigo o peso messiânico de uma vocação historicamente indestrutível, maior ainda será o ódio.

 

Se tal poder também for criado pelos maiores gênios do mundo, apesar de pequenos em tamanho, maior será a Ira.

 

Se tal poder tiver crucificado “historicamente” o Filho de Deus, maior então será a abominação!

 

Se tal poder tiver como seu desejo apenas restaurar um status de convívio em sua própria terra, tendo que se impor pela força, maior ainda será a raiva de todos.

 

Se o expansionismo de tal poder acontecer apenas para dentro do que se designou como sendo dele, mesmo assim haverá ódio, especialmente se tal poder não depender do aval de outros poderes.

 

Se tal poder carrega em si uma promessa que já dura quase 4 mil anos, maior será a raiva dos que lidam apenas com uma história de papel e plástico.

 

É assim que Israel é odiado!

 

Odiado quando está certo e quando está errado, ou, mesmo, apenas relativamente errado!

 

Os planos de Deus para com Israel não acabaram.

 

Gemam os teólogos e intelectuais, mas, apesar disso, saibam: God is not done with Israel yet!

 

Israel erra. Mas o erro do mundo contra Israel não tem tamanho!

 

Meu nome é Caio Fábio.

 

Ë isto que penso; e aceito ser julgado pelo tempo, e história e as Escrituras, caso eu esteja errado. Mas sei que não estou.

 

Esta é a fala de um homem que entende a dor do povo Palestino, especialmente dos civis, mas que não mistura acontecimentos tópicos como questões milenares.

 

Com certeza do digo, mas sem querer responder a ninguém,

 

 

Caio

18 de janeiro de 09

Lago Norte

Brasília

DF