Português | English

Opinião

BOBBY, UM CÃO FORA DOS PADRÕES

BOBBY, UM CÃO FORA DOS PADRÕES

 

 

 

Eu fui passar o Natal com meus pais e familiares lá em Campina Grande-PB. Em meio aos papos com meu pai, perguntei sobre um cão que da última vez que eu os visitei estava lá e que agora não estava mais.

Meu pai sempre gostou de criar cães. Só que ele sempre gostou de vira-latas. Ele sempre quis cães que fossem bons guardas. De dia, ele os mantinha presos. À noite, o lado de fora da casa era dos cães. Só soltava-os de dia, quando todos saíam de casa.

He-man foi o cão que meu pai mais se apegou. Silencioso, ele era o típico cão que não latia, mas mordia. Pequeno e franzino, He-man era capaz de enfrentar qualquer cão e qualquer pessoa. Só latia depois que mordia, e mordeu a muitos. Os Correios suspenderam a entrega da correspondência porque três carteiros foram mordidos por He-man.

Um vizinho que quando estava bêbado passava pelo portão da casa provocando He-man foi mordido na primeira oportunidade que o cão escapou. Parecia vingança. He-man fugiu de casa e foi parar na casa do bêbado e o mordeu lá.

O ódio contra He-man cresceu tanto que deram "bola" pra ele. Para os que não sabem, "bola" é uma bola de carne moída com caco de vidro ralado dentro. O cão come a "bola" e os pedaços de vidro cortam o intestino dele. He-man morreu.

Meu pai tentou encontrar um substituto para He-man. Criou vários até chegar em Bobby - o cão que eu notei a ausência. Bobby era um cão vira-lata pequeno
e forte. O corpo parecia o de um bulldog, cheio de músculos. Ele também não latia, pois meu pai detesta cães que latem. Bobby quase não obedecia a comando algum. Mas era um excelente cão de guarda. Ninguém entrava na casa de meu pai se Bobby estivesse solto. Pular o muro, com Bobby solto, pra fazer pequenos roubos - como fazem aqueles garotos que vivem na vizinhança - estava fora de questão. Bobby não era um He-man, mas desempenhava o papel que meu pai queria.

Daí, a minha pergunta:

- Pai, cadê o Bobby?

- Ele foi embora -, disse meu pai.

- Como assim "ele foi embora"? Ele fugiu? - perguntei eu.

Meu pai fez uma expressão de quem não estava gostando do assunto. A meia-voz, disse:

- Ele foi embora. Bobby era boiola. De vez em quando dava a louca nele. Ele fugia de casa e depois aparecia com mais dois ou três cães, como uma cadela no cio. Assim, ele foi embora.

Soube depois por uma irmã que meu pai não suportara a idéia de ter um bom cão de guarda que fosse homossexual. O "homo" aqui não é de Homem, mas do idioma Grego, "homo", que significa "do mesmo", assim como "homônimo".

A cultura do macho Paraibano falou mais alto e meu pai soltou Bobby na rua para não ter que ouvir as piadas dos amigos aposentados. A casa agora se modernizou. Cerca elétrica e alarme substituíram o Bobby.

Ouvi a história do Bobby e me pus a pensar. Quantas pessoas não agem com seres humanos igual ao meu pai agiu com o Bobby? Elas crêem que ninguém nasce homossexual. Assim, quando se deparam com o que contradiz suas crenças, tratam de tirar essa pessoa da vista o mais rápido possível. Bobby é um cão. Cães não estão sujeitos a dilemas se vão para o céu ou não. Cães não estão sujeitos a questões morais. Meu pai é quem está sujeito a essas coisas.
Bobby, mesmo sendo um bom cão de guarda, não se encaixou nos padrões morais e culturais de meu pai. Assim, para meu pai, o que se havia de fazer era descartá-lo.

Eu sei que cães homossexuais são raros. Pessoas homossexuais que nasceram homossexuais também são raros. Mas ambos existem. Negá-los é ir contra a realidade. Nós podemos dizer que não sabemos o porquê disso. Podemos não entender, como eu não entendo. Só não acho que seja sábio descartá-los por isso.

Há muita gente que prefere não ter um bom filho, caso ele seja homossexual. Só que não existe uma forma de substituir esse bom filho por equipamentos elétricos e eletrônicos, como fez meu pai com o Bobby. Seres humanos são únicos e mais valiosos do que o mundo inteiro, disse Jesus.

Na maioria das vezes, nós montamos um presépio das coisas. Aí, quando aparece alguém que não é Maria, nem José, nem o menino Jesus, nem animais ou pastores, a gente descarta quem apareceu porque aquilo não se encaixa no nosso presépio. Só que a vida não é um presépio estático. A vida é como ela é! Não transforme a sua vida em um presépio.

Medite no que eu disse aqui e, por favor, não permita que sua cultura faça-o descartar seres humanos. Que tal começar 2007 com uma nova postura sobre esse assunto? Ou você vai fazer como meu pai fez com Bobby, descartar aqueles que não se encaixam naquilo que você crê ser a realidade? Ou como os amigos dele que fazem piadas a respeito do que não entendem?

Pessoas não são peças de presépio!

Feliz 2007!

Um beijão!


Bento Souto