Português | English

Opinião

A III GRANDE GUERRA MUNDIAL JÁ COMEÇOU: na Internet

A III GRANDE GUERRA MUNDIAL JÁ COMEÇOU: na Internet



Einstein, quando perguntado acerca de como seria a III Guerra Mundial, disse que não sabia dizer, mas que com certeza a IV Guerra Mundial seria feita com paus e pedras, aludindo ao fato de que com os artefatos mortais que a humanidade possui, dificilmente a loucura e o fanatismo não haveriam de deles usar de modo suicida e genocída, conforme a sedução suicida que se traveste de honra, crença e dignidade, ante os baços e burros olhos da História. Hoje o mundo tem os meios para a auto-extinção, incluindo a mais difícil bomba capaz de se criar: a bomba-homem, e que precede o homem-bomba. Só existe o homem-bomba porque existe a bomba-homem. È o bomba-homem quem, em razão do fanatismo produtor de dês-individuação total, se entrega ao surto delirante de que 70 virgens no Jardim de Alá e o alto escalão que terão nas hostis de Alá, são um Paraíso a ser trocado pela vida aqui — é movido pela promessa da imediata recompensa; que é o que os faz viver com frieza psicopaticamente passiva e serena, até a hora em que, já implodidos como indivíduos, agem como robôs de Alá, se explodindo com o mundo que possa explodir com eles. Ora, digo isto ainda que isto mesmo também signifique uma denuncia que, eu creio, mais do que se dirige apenas aos Estados Unidos e sua gang de Reinos e Estados, mais quer se fazer ouvir por toda a humanidade. Tal grito-bomba, alerta que o mundo criado por nós, é digno de ser trocado por qualquer fantasia, mesmo que se ponha os fetiches a serem alcançados, apenas no pós-túmulo; e isto não só sob o manto da devoção a Alá, mas também como sendo sonhos reais e desejáveis dos devotos de tão piedoso tesão, visto que sua fé é total fantasia e evasão da realidade; porém, sedutora, ainda que a via seja a morte; posto que nesta terra de morte e dês-significado, tal escolha para ser bomba-homem e homem-bomba, parece ser algo cada vez mais desejável por milhões de jovens sem sentido algum para existir. Esta é a bomba que faltava a fim de usar os aparatos de destruição que a humanidade já há muito possuía; mas que, porém, nem o cristianismo Americano e nem o frouxo e não convicto ateísmo Soviético, jamais conseguiram nem desejar usar, e nem tampouco tinham qualquer coragem para executar qualquer ação global de autodestruição; visto que lhes falta pulsão e a basicalidade fantasiosa para aceitar as fantasias de galardão que o bomba-homem tem como desparador de sua auto-explosão; posto que somente o fanatismo criado a partir de uma caricatura de Alá, é que teria na terra a chance de criar a “ogiva” que carrega as bombas para as quais não se criou nenhum aparato capaz de vencê-las. Afinal, quem pode combater uma bomba que tem a mobilidade e a inteligência de um homem? Em meio a isso tudo há algo de uma ironia impossível de não ser notada. Isto porque é inconcebível que aqueles que lutam para destruir o Ocidente, os islâmicos fanáticos, usem a Internet, símbolo mais atual da Civilização Ocidental, como meio máximo de recrutamento e comunicação de sua rede terrorista; sendo que ela, a Internet, foi criada pelo exercito americano. Sim, uma criação do “Americam Army”, a Internet, está sendo usada melhor do que qualquer possível contra espionagem virtual dos americanos. Assim, se está usando as próprias mãos dos criadores, a fim de devolver, via a mídia deles mesmos, a III Guerra Mundial; e cujo campo de batalha não é o deserto, mas a virtualidade da Internet. É como o pão de Gideão, o qual voltou sobre os medianitas como pânico correspondente ao trigo-pão que eles roubavam dos de Israel, década após década. Razão pela qual ouviram a marcha dos exércitos de Deus vindo sobre eles; e tal percepção era proporcional à culpa que no Inconsciente Coletivo que os cobria como grupo de indivíduos inter-relacionados, acumulava-se contra eles; e que era feita da culpa que sentiam por estarem a décadas roubando o pão que outros tiravam da terra depois de árdua batalha pela vida. Sim, o pão de Gideão sempre volta exatamente conforme ele mesmo, feito míssil, e contra os que o “tomaram” indebitamente. Os homens antigos estão ganhando a guerra do século XXI, que é a III Grande Guerra Mundial, e que já começou; sendo que seu campo de batalha mais importante não é aquele onde bombas explodem, mas sim na virtualidade, onde todas as redes são criadas, e onde muitos, à uma, são treinados. Sim, a III Grande Guerra Mundial já começou, e seus personagens mais poderosos têm cara de homens de antigamente, e lutam pelo mundo da antiguidade, contra o monstro insaciável da autodestrutiva modernidade. Quem tiver tempo de vida na terra verá se o que digo é verdade ou não. Pense nisso! Caio