Português | English

Opinião

A IGREJA CATÓLICA E BENTO XVI — surpresa para quem?

A IGREJA CATÓLICA E BENTO XVI — surpresa para quem?

 

 

 

 

 

A IGREJA CATÓLICA E BENTO XVI — surpresa para quem?

 

 

 

 

Meu velho pai nunca se enganou.

 

1967:

 

Contra a opinião do pastor dele, a quem amava e respeitava, ele disse ao reverendo e eu ouvi que alguns líderes cristãos na década de 60 não eram sinceros. Em 1974 repetiu a mim que ficasse distante deles, pois eles começavam a me “convidar”...

 

1980/90:

 

Ora, nos anos 80 e 90 tive que conviver com todos eles; e, infelizmente papai estava certo acerca de todos. Todos muito conhecidos. À época todos muito respeitados. Mas ele dizia: “É só imagem, filho. Por dentro é outra coisa. Espere e você verá!”.

 

Eu vi.

 

1978:

 

O mesmo ele me disse sobre a Igreja Católica.

Dizia: “Nunca se converterá. Há muitos católicos de Deus, mas a “Igreja” não tem cura. E quem insiste em Ecumenismo com a Igreja Católica, ou é tolo ou tem outros interesses; pois, meu filho, Ecumenismo Católico é: Vocês nos reconhecem, nós aceitamos vocês em coisas que nos interessam, mas nós somos nós e vocês são vocês. Ou quem acredita que essa estrutura de quase dois anos haverá de mudar? Só ingênuos ou interesseiros!”.

 

Confesso que depois que li algumas das Encíclicas do Vaticano II produzidas ao tempo do Papa João XXIII, julguei papai muito radical. Depois, apesar de muito crítico quanto ao método (marxista), quanto à ênfase (política) e quanto à espiritualidade (quase apenas horizontal) — vi coisas boas em muitos aspectos da Teologia da Libertação. Mas ele, papai, disse: “Bobagem, meu filho. Se é preciso dizer que é “teologia” e da “libertação”, já não é Evangelho; pois o Evangelho não se compartimenta. Se é Evangelho é Evangelho e nada mais”.

 

E eu poderia dar dezenas de nomes e ou contar muitas outras histórias acerca do discernimento dele sobra as coisas da religião; e, em todas ele esteve certo.

 

Entretanto, desde ontem, pessoas me escrevem perplexas com o que o Papa Bento XVI declarou.

 

Ora, ele não disse nada novo para meu pai, e, para mim também não; pois, nunca participei de nada “Classicamente Ecumênico” com a Igreja Católica, visto que desde o inicio entendi o discernimento de meu pai, e o aceitei para minha própria proteção.

 

Quando comecei a pregar em 1973, em Manaus, fiz muitos amigos entre os Católicos, entre eles o querido Frei Laurindo, hoje casado e vivendo no interior de São Paulo. Laurindo era crente, e muito sofria dentro da estrutura. Foi através dele que preguei em vários Encontros Católicos; e até na Igreja Matriz de Manaus.

 

Papai dizia: “Se convidarem você para pregar, vá e pregue. Mas se for para fazer parte do Presépio Ecumênico, não vá; pois não haverá proveito algum para o Evangelho, ao passo que sua presença lá apenas autenticará o que você não crê!”.

 

Assim, preguei muito nas Igrejas Católicas, Brasil afora e até em outros países; sempre como se eu estivesse em qualquer outro lugar.

 

A questão, todavia, é que a Igreja Católica é o Império Romano na sua versão mais longeva e poderosa. Sim! Constantino conseguiu fazer de um Império Falido a Religião mais poderosa da Terra.

 

E a Igreja Católica nunca enganou ninguém quanto ao que era e ao que pretendia. Ela é Romana; e o universal (católico) é o espírito do Império; e o apostólico é a chancela histórica de autoridade original.

 

É simples e é só. O que passar disso é tentativa de auto-engano!

 

O que me intriga, no entanto, é ver os demais “cristãos” chocados com o que Bento XVI declarou.

 

Ora, o que eles esperavam? Ou mais: o que isso muda no mundo? Ou ainda: em que tal declaração afeta os “Protestantes ou Evangélicos”? Lutero ficaria perplexo com a perplexidade dos Protestantes e Evangélicos.

 

Sei que entre muitos amigos Católicos haverá alguns que me lerão e que desejarão que eu não tivesse escrito o que escrevo. No entanto, se digo o que digo dos “Protestantes e dos Evangélicos” — por que ficaria calado ante essa entidade que, historicamente, foi uma bruxa sanguinolenta, a meretriz que embebedou as nações com sua prostituição (só se choca quem não conhece a História), além de ter se tornado o maior escândalo e tropeço que em nome de Jesus já se praticou sistematicamente no mundo?

 

Não! Não há surpresas!

 

E mais: quem se surpreende é apenas porque ainda tem alma na religião; pois, quem tem o coração cheio do Evangelho, olha para isso, lamenta que o caminho do Evangelho não tenha jamais entrado na Igreja Católica, mas não se assusta; antes, diz: “Deixem os mortos sepultarem seus próprios mortos; quanto a ti, vai e prega o Reino de Deus!”.

 

 

Nele, em Quem o povo de Deus converge na Cruz,

 

 

 

Caio

 

12/07/07

Lago Norte

Brasília