Português | English

Devocionais

QUANDO A INVEJA NOS DESVIA DO CAMINHO

QUANDO A INVEJA NOS DESVIA DO CAMINHO



Verdadeiramente bom é Deus para com o Seu povo e para com os limpos de coração. Quanto a mim, os meus pés quase se desviaram do caminho...pouco faltou para que os meus passos escorregassem para uma vereda de morte. Isto aconteceu porque sutilmente a inveja penetrou o meu ser...pois eu tinha inveja dos soberbos, ao ver que eles prosperavam em seus maus caminhos. Entrei no mundo das comparações...olhava os limpos de coração e nem sempre os via tão prósperos...ao passo os arrogantes no meio da congregação do povo que se chama pelo nome de Deus...sim, esses aparentemente não sofrem dores e são robusto no corpo e no poder que detêm. Será que a maldade os protege?—pensava eu. Afinal, não se os vê em tribulações como a maioria do povo, nem são afligidos como os demais homens. Em razão de seu “sucesso” tornam-se ainda mais soberbos e vestem-se de arrogância como se tal atitude fosse bela...pois exibem sua altivez como se usa uma colar de pedras preciosas no pescoço e expressam sua violência como quem exibe um lindo vestido. Tudo parece lhes dar certo... Os olhos deles estão inchados de prosperidade e seus corações trasbordam de fantasias e de projetos megalomaníacos. Fazem gozação dos mal-sucedidos e falam maliciosamente de tudo e todos...sim, arrogantemente, falam como normal da opressão que praticam sobre o próximo e vangloriam-se de suas próprias maldades como se fossem virtudes e sinais de Teu favor. Falam, falam e falam... Põem a sua boca contra os céus, e a sua língua percorre a terra... Desafiam a Deus com suas vidas! O povo vê que são poderosos e volta-se para eles, são tomados por exemplo de sucesso... Afinal, neles não falta coisa alguma do que se ambiciona possuir. E prosperam mesmo enquanto suas vidas é uma afronta a Deus... Vivem como se na brincadeira dissessem: Como o sabe Deus? E ainda como se ironicamente perguntassem: Há algum conhecimento no Altíssimo? Eis que estes são os maus no meio do povo, mas andam sempre em segurança e não cessam de aumentar as suas riquezas. Caí em comparações malignas... Olhei para o sucesso deles e comparei-as às dores do povo e enxerguei minhas próprias frustrações... Então, disse: Na verdade é em vão tenho purificado o meu coração e lavado as minhas mãos na inocência, pois todo o dia tenho sido afligido, e castigado cada manhã...enquanto eles prosperam e não cuidam de nada em seus próprios corações. Mas guardei meus pensamentos para mim mesmo, pois, se eu tivesse dito a mim mesmo: Também agirei assim...nesse mesmo momento eu teria agido traiçoeiramente para com a geração de Teus filhos...sim, teria atraiçoado os meus irmãos que amam o que é bom, ó Deus! Mergulhei em reflexões de agonia. O mundo não parecia fazer sentido... E, assim, revolvi-me em meus próprios pensamentos e ingressei no mundo das comparações que geram confusão e sofrimento. Esforçava-me para compreender tal coisa, mas isto achei que era tarefa difícil demais para mim...eu não podia compreender a razão de ser assim... Até que entrei no santuário de Deus e percebi o fim deles... Veio-me a revelação, achou-me o discernimento e compreendi com o coração, ó Deus! Agora sei que Tu os pões em lugares escorregadios e que assim Tu os lanças para a ruína por seus próprios caminhos. Assim, de súbito, num único momento...caem em desolação e ficam totalmente consumidos de terrores! Entendi que como se “dá de mão” ante um sonho sem importância quando se acorda, assim, ó Senhor, Tu desprezas as fantasias deles. Olhei não mais para eles e sim para mim, e eis que vi que quando o meu espírito se amargurava, e eu sentia picadas de inveja no meu coração, eu é que estava ficando embrutecido, e nada sabia sobre a verdade das coisas... Sim, discerni que eu mesmo estava mergulhando num ambiente animal de disputas e me tornava como apenas mais um bicho diante de Ti. Então lembrei de nós, de mim e de Ti, ó Deus! Vi que minha segurança é que estou sempre contigo e que Tu mesmo me seguras pela minha mão direita. Tu me guias sobre a terra com o Teu conselho, e depois...me receberás Tua em glória. Desse modo meu seu se encheu outra vez da verdade. A quem tenho eu no céu, senão a Ti? A quem tenho eu na terra? Não há quem eu deseje além de Ti! A minha carne e o meu coração desfalecem e cansam... Tu, porém, ó Deus, és a minha fortaleza, e minha única herança para sempre. Os que não Ti têm como sua verdadeira prosperidade, estão longe de Ti...e perecerão. Pois Tu exterminas a todos aqueles que se desviam do caminho de Tua Graça. Quanto a mim, entendi para sempre que bom é viver em Deus. Assim, ponho a minha confiança no Senhor Deus, para anunciar todas as Tuas obras enquanto eu viver, e que por minha existência elas ainda falem de Tua grandeza mesmo depois que eu partir. Amém 18/06/2004