Português | English

Informativo

PASTOR É TORTURADO NO VIETNÃ

PASTOR É TORTURADO NO VIETNÃ

Pastor é torturado no Vietnã ‘como Cristo na cruz’

Cristãos da província de Kontum tornam-se alvo de campanha anticristã


As autoridades da província vietnamita de Kontum acharam uma forma de acrescentar um simbolismo cruel à sua injustificada perseguição aos cristãos.


Quando o pastor A En, da Igreja Evangélica Chu Pa, atendeu a intimação para comparecer perante a polícia de segurança local no dia 20 de agosto, foi forçado a permanecer "como Cristo pendurado na cruz", com os braços estendidos, mas apoiado num pé só. A En foi obrigado a ficar nessa posição das 8 às 11h00 da manhã. Quando ele se movia ou abaixava o outro pé, era xingado, levava socos e recebia pontapés.


Quando a polícia por fim libertou A En, ele caiu, incapaz de se mexer. Um presbítero da igreja teve de levá-lo da delegacia de polícia. A igreja do pastor A En, com 70 membros, foi dispersada e não se atreve a se reunir para adorar.



A maioria dos relatos de opressão das minorias do Vietnã do planalto enfoca as grandes províncias de Dak Lak e Gai Lai. Entretanto, informações da menor e mais distante província de Kontum, que faz fronteira com o Camboja e o Laos, mostram que os cristãos lá não foram poupados.


Vários incidentes relatados por obreiros cristãos locais no início deste ano acabam de vir à luz. O evangelista A Yen foi chamado à delegacia de polícia do município de Dak Rim e recebeu ordens para desistir da fé e de suas atividades pastorais. Foi-lhe dito que se ele não cooperasse, seria usado "outro método".


Quando A Yen recusou com determinação, eles murmuraram que ele era um "cabeça muito dura" e fingiram que o deixariam ir embora. Quando ele estava saindo porta a fora, um policial chamado A Hoai o estava esperando com um grande porrete. O policial bateu de forma traiçoeira nos joelhos de A Yen três vezes. Quando ele caiu, os policiais se lançaram sobre sua perna, abrindo um profundo ferimento que sangrou muito.


Assustados com a grande quantidade de sangue, a polícia liberou A Yen, que fugiu para a casa de um colega na província de Quang Ngai, próxima. Lá ele se recuperou antes de se atrever a voltar para casa em Kontum.


Em outros incidentes, dois evangelistas que voltavam em fevereiro último para o Distrito de Sa Thay, em Kontum, de um seminário para estudo bíblico no sul foram chamados pela polícia de segurança pública de seus respectivos municípios. O evangelista Ksor Lui foi atingido no rosto várias vezes pela polícia, que questionou o que ele havia estudado. Ksor Lui recebeu ordem para não sair de casa para propagar sua fé.


O evangelista Ksor Lor foi atingido na cabeça com tanta força que ele ficou inconsciente por vários minutos. As autoridades o proibiram de se reunir com quaisquer outros cristãos para adoração em público. Ninguém pode agora realizar cultos, mas eles se reúnem corajosamente para instruir os cristãos em células de uma ou duas famílias.


Portas Abertas recebeu o relato sobre o pastor A En de uma fonte no Vietnã que conseguiu iludir os censores do Vietnã e mandar um e-mail. A seguir, uma parte do apelo constrangedor, escrito em fins de agosto e traduzido do vietnamita:


"Prezados Senhores,

Estou informando sobre os cristãos montanheses que foram perseguidos de forma selvagem pelas autoridades comunistas vietnamitas. Muitos foram espancados e encarcerados. Outros precisam abandonar suas casas devido ao medo. Esposas e filhos fogem para o mato por segurança.

Por favor, não esqueçam dos cristãos montanheses, que são do mesmo sangue que o nosso. Por favor, dêem suas mãos a nós e mandem isto aos meios de comunicação – jornalistas e redes de TV – e a grupos de direitos humanos e representantes de pessoas de consciência ao redor do mundo.

Os comunistas tem de fato uma consciência? Os cristãos montanheses que crime cometeram para receber um sofrimento tão gratuito? O único crime deles é crer em Deus e reunir-se com outros para adorá-Lo. As autoridades do governo se recusam a dar permissão para isso.

Mas, por que as pessoas têm de pedir permissão para o que é concedido livremente na maior parte do mundo onde os direitos das pessoas e comunitários são respeitados? Por que no Vietnã as pessoas têm de suplicar ao governo para fazerem coisas honradas e de valor? Se os cristãos não pedem permissão e vão em frente para adorar de qualquer forma, são tratados como criminosos. A polícia de segurança pública os ameaça como se eles fossem criminosos contumazes. Por quê? Por quê?

O tipo de ‘liberdade’ de que os comunistas se vangloriam deixa a desejar um milhão de vezes em comparação à liberdade em muitos outros países do mundo. É a ‘liberdade comunista’. Ho Cjhi Minh no passado – e o Partido Comunista hoje – de fato tem essa liberdade?

É impossível saber quanto sangue e quantos ossos foram sacrificados para libertar nosso povo. Mas qual é o resultado dessa ‘libertação’? O povo do Vietnã está somente ligado na liberdade da variedade comunista. Se for examinado o significado da liberdade na maior parte dos países do mundo com a liberdade do Vietnã, se verá que as diferenças vão além da imaginação. No nosso tipo de liberdade, perde-se a verdadeira essência da liberdade real.

As autoridades vietnamitas gostam de se vangloriar que o nosso povo é mais livre do que a maioria dos povos do mundo. Mas deve-se compreender que a liberdade comunista é o inverso da verdadeira liberdade".







Portas Abertas© 2003 - Todos os direitos reservados
www.portasabertas.org.br