Português | English

Informativo

MALUQUICES MUITO MAL EDUCADAS

MALUQUICES MUITO MAL EDUCADAS

Há cerca de 22 anos, ouvi o seguinte de uma amiga psicanalista que eu andava aconselhando:

“Sou de Cristo. Mas não há lugar no mundo que tenha mais maluco por metro quadradro que a igreja”.

Ora, desde antes de eu me converter que eu já sabia disso.

Cresci no meio cristão.

De lá pra cá tive a chance diária de comprovar essa tendencia, que parece quase inexorável.

Não me refiro aos problemas que aparecem aqui no site, especialmente os de natureza sexual, que são instintuais, e que só crescem tanto como exagero e anomalia, porque a igreja monstrifica a sexualidade, fazendo com que aquilo que pode ser bom e sadio—alías, a sexualidade é essencial para o estabeleciemnto de qualquer saúde humana, não o sexo, que é o hardwear; mas o softer, que é a sexualidade—se torne algo tenebroso.

De fato, me refiro à mania de discordar, à falta de educação patológica—às vezes penso que é patogênica—, e também falo da atitude grotesca, sem sutileza, e que denota falta de alma.

Ontem uma aluna de uma faculdade de letras me pediu ajuda para a monografia dela. O tema é a poesia, e ela não consegue achar nada no meio cristão sobre o tema; não como analise positiva, e que valha o que vale como linguagem de transcendencia.

Eu disse a ela que perdesse as esperanças, que evangélico só tem alma estatistica para a contabilidade do céu, mas não desenvolve a psique como bem, mas apenas como conflito e ambiente de angustia e tentação.

A alma é o inferno cristão!

Digo isto também porque aqui no site me deparo com inúmeros e-mails de gente que inicia com a “A Paz do Senhor”, depois me diz todas as abobrinhas que lhe passam pela cabeça—inclusive conselhos do que devo fazer com minha vida a fim de ter minha “unção de volta”—, e que terminam as tais cartas com um “eu te amo muito”.

Antes eu respondia. Depois passei a deletar a todas. Todas mesmo. Não respondo esses tais. Afinal, não tenho tempo. Além disso, não respondo a “esses” porque a maioria dos que escrevem, o fazem querendo ajuda, de verdade; e não escrevem para encher a paciência.

Antes eu respondia e fazia o cara ver o quão inconviniente e desrespeitoso ele era.

As respostas que eu recebia sempre eram ofendidissimas; me diziam: “Mas eu lhe desejei a ‘a paz’, e terminei com ‘meu amor’, como você não gostou?”

Então, invariavelmente, diziam quem eu estava amargurado por não tê-los ouvido.

Engraçado, agora eu tenho que amar maluquices e achar tudo bom apenas por que irmãos que não sabem o que é se relacionar alma-a-alma querem dizer o que não sabem?

Jamais! A vida é curta, e quero aproveitá-la para o bem; meu e dos outros.

Portanto, sinceramente, não percam mais tempo me escrevendo acerca de meu divorcio, separação, meu ministério, e como devo proceder; pois, sem arrogancia, lhes digo: Tenho os meus conselheiros; e, tenho minha própria cabeça. Além do que, já vivi demais; e esses scripts me são intoleráveis.

É hora de crente aprender a ser educado.

Não é possível que a fé evangélica só gere gente sem eduçação e com falta de sentido de propriedade!

Hoje, são poucos os que assim agem. Mas de vez em quando aperece um salvador da pátria.

Ora, nada me cansa mais...

Um beijo para todos,


Caio