Português | English

Devocionais

FALANDO DA CRECHE DO AMOR QUE FREQÜENTO...

FALANDO DA CRECHE DO AMOR QUE FREQÜENTO...

 

FALANDO DA CRECHE DO AMOR QUE FREQUENTO...

 

Meu amor é ainda um amor infante e tolo…

Sim, é impaciente, é exasperado, é aflito pela prova, é zeloso de nada, é cansável com facilidade, espera que a injustiça seja vingada por outros [não por mim...], alegra-se apenas com a verdade que me seja conveniente, e não suporta tudo, nem crê em tudo e não espera tudo...

É amor de menino, por mais homem que eu me pense...

Sim, meu amor é pobre, é apressado, é capaz da deselegância e da irritação...

Até os que eu amo de modo visceral, como minha mulher, filhos, netos, mãe, irmãs e parentes... — ainda amo com imperfeição, por mais que alguém julgue que assim não seja...

Entretanto, sinto que a cada contradição da vida, a cada desgosto em relação a quem amo ou ao meu amor pelos que digo e sei amar, percebo que cresço...; sim, vejo que na contradição o amor dá saltos para além das imperfeições, minhas e dos outros...

Assim, esquecendo tropeços e criancices, busco a cada dia amar com adulteza, conforme Jesus.

Portanto, prossigo para o Alvo; e o Alvo é fazer de mim puro amor na vida; neste e na vida porvir; posto que meu destino seja Deus; e Deus é amor!

Sem desistir jamais..., Nele,

 

Caio

5 de setembro de 2009

Lago Norte

Brasília

DF