Português | English

Devocionais

EU SOU SIM E SOU NÃO; ASSIM E NÃO EU SOU NÃO SOU!...

EU SOU SIM E SOU NÃO; ASSIM E NÃO EU SOU NÃO SOU!...



EU SOU SIM E SOU NÃO; ASSIM E NÃO EU SOU NÃO SOU!...

 

Coisa muita estranha é esta de ser um homem divinamente caído e caidamente divino!

 

Sim, de carregar o finito e o infinito; de ser mortal e eterno; de ser animal mamífero e um deus filho de Deus; de ser livre para escolher e condicionado a tantas determinações que turvam a escolha; de ter arbítrio e também de reagir à revelia do arbítrio; de ser santo na mesma natureza pecadora e caída; de estar preso ao tempo/espaço e já poder transcendê-lo até pelo pensar, pelo imaginar e pelo crer; de contar dias sabendo da eternidade; de ter apegos mortais enquanto se celebra o eterno; de sentir separações que sabemos não separam; de temer amar quando a vida que é [...], é apenas amor; de adiar a morte quando é justamente ela que nos livra dela própria; de temer a libertação daquilo que de fato liberta; de amedrontar-se do que não pode matar; de esperar frustrado o que já se sabe que é; de relutar em ter fé Naquele que teve fé em nós por nos ter feito de nada além do Seu próprio desejo; de andar nas calçadas de poeira esquecido do Caminho; de buscar fora [...] a Verdade que existe apenas dentro; de almejar a Vida como se ela não nos habitasse; de invocar Deus acima e não no interior; de separar os semelhantes sem enxergar a obviedade da nossa mesma semelhança; de nos impressionarmos ainda com tudo o que não passa de miragem; de atribuirmos direito duradouro ao que se desvanece; de sairmos para lutas que estão já acabadas; de nos abalarmos com aquilo que já carrega o signo da falência; de confessarmos com gritos o que na vida não cremos; de pregarmos em alaridos e não desejarmos viver nem mesmo em silêncio; de pensarmos e não concluirmos que quase nada cabe no pensamento; de habitarmos o finito do tempo/espaço e não nos darmos conta de que até em seus limites nada vemos; de aceitarmos estatísticas e tergiversarmos ante a sabedoria; de nos culparmos do que não provocamos; de não culparmo-nos pelo que fizemos; de justificarmo-nos do que não requer nada além de consciência e mudança; de aceitarmos que um conjunto de arrazoados tenha o suposto poder de salvar a uns e condenar a outros; de confessarmos a inalcançabilidade de Deus e Lhe defendermos os templos; de carregarmos em nós o pode do louvor e imaginarmos que ele não acontece se não cantarmos; etc... — enfim, de sabendo tudo isto acerca de nós mesmos, vivermos como se nada disso fosse o que de fato é!

 

Assim, não me é possível deixar de pensar que a maior tragédia humana é o medo de crer, de ver, de saber, de aceitar os limites e de acolher os não limites; de ser tão maravilhosamente divino em sua origem, e tão desgraçadamente mamífero e animal em suas escolhas; de ser sobejamente elevado e, ao mesmo tempo, tão aferrado ao que é mesquinho; de ser tão para além das estrelas enquanto briga com tanta avidez pelos espaços feitos de pó!

 

Ah! Que desgraçadamente linda e patética é a existência humana!

 

E que grande amor é esse que assim me ama?

 

Por isto, também digo:

 

Deus é amor porque sei que eu assim sou [...], tão aquém de todo amor!

 

Sou [...], logo sou; e não sou a origem do ser que sou; sou sem poder ser; sou porque sou aceito em meu ser; por isto sendo quem e como sou, sei que Quem me fez só pode ser Absoluto Amor!

 

E que grande loucura é esta, a de Deus, que decidiu nos chamar Seus filhos?

 

Ora, sendo nós assim, tão sem nada definidamente assim, como seríamos objeto de qualquer coisa que não absolutamente e apenas o Sim da Graça?

 

 

Nele, que é Sim Assim Somente Sempre Amor,

 

 

Caio

9 de janeiro de 2012

Copacabana

RJ