Português | English

Cartas

Confissões...

Confissões...

-----Original Message----- From: FERNANDA Sent: segunda-feira, 4 de agosto de 2003 To: contato@caiofabio.com Subject: Confissões... Mensagem: Olá Pr. Caio Fábio, É um prazer enorme poder te mandar este e-mail, pois, mesmo sem nos conhecermos pessoalmente, gosto muito de vc. Estou lendo o seu livro chamado Confissões do Pastor. Que livro! Estou no cap. 35 pag. 278... Até aqui a leitura deste livro tem me feito viajar,viver cada história sua, estou mergulhada em tudo, até porque me veio em muito boa hora, pois estou vivendo uma vida cristã muito medíocre; e anseio ardentemente viver uma vida apaixonada, livre dos "encaixotamentos" impostos pela “igreja”. Fala-se muito em liberdade na igreja, graça sob graça, mas infelizmente não tenho visto isto de uma forma real. A cada página do livro, o meu coração esquenta, dá vontade de deixar o trabalho e viajar nesta fantástica vida que o Senhor preparou para mim. Quem sabe até o fim do livro, a sua força me impulsiona. Um grande abraço, pastor Caio. ***************************************** Resposta: Querida Fernanda: Fico muito feliz quando vejo as pessoas lendo e relendo esse livro. Quando o escrevi, o fiz contra todo o meu bom senso. Eu estava apenas 42 anos, e, para muitos, era ainda muito prematuro escrevê-lo. Concordei com eles, lutei contra mim mesmo, mas escrevi de qualquer forma. Hoje me pergunto a razão. De fato, havia em mim, já em 96, uma pulsão muito forte para fazê-lo. Eu já tinha vivido muitas vidas até aquele ponto. Só não sabia era que de lá para cá eu ainda viveria as mais fortes, intensas, e marcantes experiências humanas de toda a minha vida. Nos últimos meses tenho visto esse livro ressurgir dos mortos, e, milhares o estão lendo, relendo e redescobrindo. Casualmente, acabei deixando o livro acabadamente inacabado: não há ponto final na última linha... Nem tudo o que me aconteceu até 1997, está aí. Mas tudo o que está aí, me aconteceu! Um grande e carinhoso beijo pra você. Nele, que é o Senhor de nossa história, Caio