100%
Um convite a doce revolução. Vem e Vê.
Google Play Baixe o aplicativo. O evangelho no toque do seu dedo!

TEXTOS > CLÁSSICOS

Ressureição

A Ressureição

A segunda sinfonia de Gustav Mahler


A Sinfonia número 2, em dó menor de Gustav mahler, conhecida pelo título Ressureição, foi escrita de forma fragmentar entre 1888 e 1894 e o carater final foi dado pela morte de seu amigo Hans von Bülow.  No funeral Mahler ouviu uma versão musicada do poema de Friedrich Gottlib Klopstock chamado Dia Auferstehung (A ressureição).  Imeditamente o fio de coerência que ele procurava para sua obra foi encontrado.  Mahler utilizou os dois primeiros versos do hino de Klopstock e acrescentou outros dele próprio que tratam ainda mais diretamente da redenção e ressureição.  

Para a obra toda Mahler planejou um narrativa que explicaria o que ele queria dizer em cada movimento.  O primeiro movimento é um funeral e faz a pergunta de se existe vida após a morte.  O segundo movimento é a lembrança da felicidade vivida por aqueles já mortos.  O terceiro representa uma visão da vida como uma atividade sem significado.  O quarto movimento com sua famosa canção Urlicht (Luz primordial) é o desejo de finalizar uma vida sem significado. O quinto movimento, depois de um retorno ao cinismo do terceiro e da pergunta do primeiro termina com uma expressão de ardente esperança pela renovação eterna.

O trecho executado abaixo pela London Philarmonic Orchestra sob direção de Leonard Bernstein tem o seguinte texto, em tradução livre:


Com asas que ganhei na luta ardente do amor
Eu voarei para o alto, para a luz que nenhum olho penetrou!
Com as asas que ganhei, eu voarei!
Morrerei, para que possa viver!
Viver novamente, sim viver novamente
Você irá, meu coração, em um instante!
Tudo que que já sofreste
irá traze-lo para junto de Deus.




Ciro d'Araújo, 17 de Abril de 2009