100%
Um convite a doce revolução. Vem e Vê.
Google Play Baixe o aplicativo. O evangelho no toque do seu dedo!

TEXTOS > REFLEXÕES

O QUE É A FÉ E COMO VIVEM AS SUAS TESTEMUNHAS?



O QUE É A FÉ E COMO VIVEM AS SUAS TESTEMUNHAS?

 

A fé é a firme fundação das coisas que nós esperamos, e carrega em-si-mesma a prova das coisas que não se vêem... pois nela tais coisas preexistem a si mesmas como coisas.

 

Foi por meio da fé que os homens da antiguidade alcançaram bom testemunho para si mesmos diante de Deus.

 

Tudo aquilo de que nós nos apropriamos sem o auxílio dos sentidos é fé.

 

Por isso é que entendemos que todos os mundos foram criados pela Palavra de Deus, de modo que aquilo que chamamos de visível foi feito daquilo que não está disponível aos sentidos.

 

É a fé que estabelece a verdade das coisas diante de Deus.

 

Sabemos isso desde o princípio, pois foi pela fé que Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifício que Caim. E foi também por meio da fé que Abel alcançou o testemunho de que era justo, pois a fé dava verdadeiro significado às suas oferendas.

 

Foi ainda por causa da fé que Abel, mesmo estando morto, ainda fala hoje. A fé imerge o homem num ambiente onde tudo é possível, sobretudo, porque a comunhão com Deus, faz a supressão definitiva de todas as categorias ligadas ao domínio do possível ou do impossível.

 

Por essa razão da fé é que sabemos que Enoque foi trasladado para não ver a morte; e não foi achado, porque Deus o trasladara; pois antes da sua trasladação alcançou testemunho de que agradara a Deus por meio da fé.

 

Enfim, sem fé é impossível agradar a Deus. Deus tem que ser visto como Aquele que existe, e que é galardoador dos que o buscam. E isso só acontece se houver fé. Pois sem fé, quem esperaria galardão do que não existe? Ou ser premiado por alguém a quem não se vê?

 

Os maiores marcos da História Universal aconteceram por meio da fé. O mundo da antiguidade foi afogado nas águas do Dilúvio. Começou um novo mundo. Mas quem passou do antigo mundo para o novo o fez por meio da fé.

 

Assim foi que pela fé, Noé, divinamente avisado pela voz de Deus acerca das coisas que ainda não se viam como fato ou sequer como possibilidade, sendo temente a Deus, preparou uma arca para o salvamento da sua família. A fé que salvou a Noé foi a mesma que condenou o mundo antigo. Desse modo, o homem que passou de uma era para a outra e tornou-se herdeiro da justiça que preservou a humanidade obteve o seu próprio futuro e também o nosso, por meio da fé.

 

A fé se fez história. Foi por meio da fé que onde não havia nenhuma história para a percepção dos homens, Deus estava fazendo a História, a qual a história humana não reconhecia enquanto ela acontecia.

 

A História de Deus com os homens acontece primeiro no coração, onde é a residência da fé.

 

Foi pela fé que Abraão, um total desconhecido, sendo chamado por Deus, obedeceu, saindo para um lugar que havia de receber por herança, e partiu sem saber para onde ia. Ninguém sabia dele senão somente Deus! Pela fé Abraão peregrinou pelo chão da terra como quem anda sobre a promessa; vivia como em terra alheia no chão que, pela fé, ele sabia que já era seu, sendo, ironicamente o dono daquilo que ainda não podia possuir; habitando em tendas com Isaque e Jacó, seus descendentes, e herdeiros com ele da mesma promessa... De fato, Abraão esperava a cidade que tem Fundamentos, da qual o arquiteto e edificador é o próprio Deus.

 

Foi também pela fé que a própria Sara, sua mulher, recebeu a virtude de conceber um filho, mesmo que totalmente fora da idade. Isso porque ela creu que Aquele que lhe havia feito a promessa de gerar um filho era Deus fiel para cumprir o prometido.

 

A fé é pura ironia... Afinal, é de Abraão, um velho amortecido em sua potência masculina, que descenderam tantos filhos, em multidão como as estrelas do céu e como a areia inumerável que está na praia do mar!

 

A fé é a esperança que ousa declarar-se e viver com as conseqüências da confissão! Ela se contenta na certeza de que aquilo que ainda não se materializou ou se realizou, todavia, já é. Desse modo é que todos acerca dos quais falamos morreram na fé, sem terem, entretanto, alcançado a materialização histórica das promessas a eles feita por Deus. Eles, todavia, viram a realização das promessas com os olhos da fé, tendo acenado para elas mesmo que de longe, pois sabiam que nenhuma promessa se totaliza na Terra.

 

Eles, pois, viam-se e confessavam-se estrangeiros e peregrinos na Terra. Daí o tratarem a imaterialização plena do prometido, com tanta paz e serenidade: eles aguardavam a materialização de tudo nos ambientes onde a matéria é feita daquilo que não se corrompe. Isso porque quem age como um peregrino — um hebreu — demonstra estar buscando uma outra pátria. E esse tal só não anda direto para a sua pátria final por não se lembrar daquilo que já sabe. Pois se na verdade se lembrasse daquela pátria de onde saiu, voltaria para ela imediatamente.

 

Esta é a estranheza... Os homens mais cheios de fé e os mais esperançosos que já viveram na Terra não tinham aqui o fundamento de suas esperanças finais. Ao contrário, eles sempre desejaram uma pátria melhor, isto é, a pátria celestial. Essa é a razão de Deus também não se envergonhar deles — e a prova disso está no fato de Ele se deixar chamar de Deus por eles e para eles. E ainda mais: o próprio Deus já lhes preparou uma cidade, visto que eles confiaram a Deus a construção de sua pousada eterna.

 

A fé é incompreensível... De que outro modo poderíamos olhar o drama paterno de Abraão sem nos escandalizarmos? Foi exclusivamente pela fé que Abraão, sendo provado por Deus, num convite à loucura e à violação de todos os seus instintos, ainda assim ofereceu Isaque, seu filho, ao próprio Deus! Sim! Ia mesmo oferecendo o seu único filho, aquele filho que era o objeto das promessas, e acerca de quem se havia dito: "Em Isaque será chamada a tua descendência..." Sim! Julgando que Deus era poderoso para até dos mortos o ressuscitar, levou-o para ser sacrificado.

 

Deus não o permitiu. Mas viu que no coração de Abraão, Isaque havia sido oferecido, e, portanto, era como se tivesse sido imolado e morrido. Daí foi que também, ainda que figuradamente, Abraão recobrou seu filho de dentro da própria morte, como na ressurreição dos mortos. A fé carrega em si a semente da ressurreição!

 

Pela fé Isaque abençoou seus filhos Jacó e a Esaú no tocante às coisas futuras, que se tornaram tão reais e efetivas que ainda hoje fazem parte de nosso presente.

 

A fé fala do futuro. Foi por essa razão de fé que Jacó, quando estava para morrer, abençoou cada um dos filhos de José, e adorou a Deus, inclinado sobre a extremidade do seu cajado. Ele andara pela fé; o cajado apenas se sustentara em razão da fé que levou Jacó a adorar a Deus pelo passado, pelo presente e pelo futuro.

 

A fé se projeta de tal modo como certeza e confiança para o futuro que, pela fé, José, bisneto de Abraão, estando próximo da morte, afirmou que os filhos de Israel sairiam do Egito num Êxodo. E em razão disto é que deu ordem acerca de seus próprios ossos, afirmando que desejava que fossem levados de volta para a terra da promessa.

 

A fé invade o ser humano de tal modo que ele fica possuído com a certeza do conhecimento dAquele fez as promessas. Daí ser também sempre acompanhada por maravilhas.

 

E não somente isso; a fé se mostra também como inexplicável desígnio. A vida de Moisés nos mostra isto. Ele era menino numa terra e numa hora em que todos os meninos de seu povo eram mortos ao nascer. Mas foi pela fé que os seus pais, logo após o seu nascimento, ao verem-no, decidiram escondê-lo. Ele mamou e viveu escondido por seus pais durante três meses, porque viram que ele era um menino formoso. A fé também se serve da formosura. Por isso, tomados de fé, os pais de Moisés não temeram e desobedeceram ao decreto do rei.

 

Foi a fé que fez Moisés, sendo já homem, decidir se recusar a ser chamado filho da filha de Faraó. Foi também pela fé que ele decidiu comungar a dor de seu povo, ser com ele maltratado como o povo de Deus ao invés de entregar-se, no Tempo, ao gozo do pecado de não ser quem sabia que era. E entendeu isso quando, considerando todas as riquezas do Egito, viu-as como incomparavelmente menores que a Graça da riqueza de ser parte do opróbrio de Cristo. E seguiu com o povo de Deus porque tinha em vista a recompensa. Foi por isso que ele se deixou constranger por Deus a fim de liderar o povo nos dias daquela peregrinação.

 

A fé tira o medo, pois foi pela fé que Moisés deixou o Egito, não temendo a ira do rei. Ele não temeu porque a fé o fez ver firmemente Aquele que é Invisível.

 

A fé promove confiança no amor de Deus. Foi por essa razão que pela fé Moisés celebrou a páscoa e a aspersão do sangue sobre as casas dos hebreus, para que o destruidor dos primogênitos não lhes tocasse, enquanto morriam todos os demais primogênitos na terra do Egito.

 

A fé vê caminhos onde não há caminhos. Por isso é que os israelitas atravessaram o Mar Vermelho como quem caminha por terra seca. Mas os egípcios tentaram imitá-los fazendo o mesmo caminho e foram afogados.

 

A fé não se preocupa com fraqueza, mas com certeza. Ou não lembram que foi pela fé que caíram os muros de Jericó, depois de rodeados por sete dias? Ou também não foi a fé que fez Raabe, a meretriz, decidir acolher em paz aos espias de Israel e se associar a eles, tendo sido desobediente e traidora aos olhos dos seus, mas justificada em fé junto com o povo de Deus?

 

E que mais direi? Me faltará o tempo se eu for contar de Gideão, de Baraque, de Sansão, de Jefté, de Davi, de Samuel e dos profetas... Todos eles, por meio da fé, venceram reinos, praticaram o que sabiam ser a justiça, alcançaram promessas, fecharam a boca dos leões, apagaram a força do fogo, escaparam ao fio da espada, da fraqueza tiraram forças, tornaram-se poderosos na guerra, puseram em fuga exércitos estrangeiros!

 

Houve mulheres que pela fé receberam de volta à vida, como Graça da Ressurreição, os seus queridos que estavam mortos!

 

A fé também não conhece adversativas e nem adversidades que sejam maiores do que ela. Por essa razão, enquanto uns venciam diante de Deus e dos homens, outros venciam em profunda solidão, sendo vistos em sua justiça e verdade somente pelos olhos de Deus.

 

Assim, uns foram torturados, não aceitando negociar seu próprio livramento violando qualquer condição de consciência, porque criam que haveriam de alcançar uma melhor ressurreição. Houve outros que experimentaram escárnios e açoites. E houve muitos que conheceram o interior frio e abandonado de cadeias e prisões!

 

E que dizer dos que foram apedrejados? E o que falar dos que foram terrivelmente tentados? Ou deveríamos mencionar os que foram serrados ao meio? Ou, quem sabe, os que morreram ao fio da espada? Ou deveríamos mencionar os que andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, necessitados, aflitos e maltratados? Saiba-se isto: eles eram os homens dos quais o mundo não era digno! Lá iam eles, andando em fé, errantes pelos desertos e montes, e pelas covas e cavernas da terra! E o mundo não os via...

 

A fé, entretanto, não se basta a si mesma. Ela encontra sua abastança absoluta não em si mesma, mas fora de si mesma. Ela realiza o impossível, só não realiza o impossível de se satisfazer em si mesma. Por isso é que todos acerca dos quais falamos, embora tendo recebido bom testemunho pela fé que tiveram, contudo não alcançaram a materialização da promessa em sua época. E a razão é que Deus preparara algo muito melhor para nós, para que eles, sem nós, não fossem aperfeiçoados.

 

A fé irmana a todos os seus filhos e os faz verem-se como irmãos, andando no mesmo caminho, vivendo vidas diferentes e em tempos diversos, mas os faz verem-se, acima de tudo, como sendo todos beneficiários do mesmo Deus e da mesma Graça; uns de um modo, outros de outro; uns sendo vistos, outros nem sendo percebidos; alguns recebendo galardão celeste enquanto conseguem vitórias entre os homens; outros, todavia, andando em profunda solidão, sem serem vistos por ninguém, mas sem desviarem-se do caminho, pois sabem que andam pela fé, e que nisto está sua justiça.

 

Assim diz o Senhor: O meu justo viverá pela fé, e se retroceder, nele não está o meu coração! Todavia, e que acerca dos que crêem Ele diz é: Vão indo de fé em fé, cada um deles aparece diante de mim e verão a minha face!

 

E assim, todos nós, com o rosto descoberto, seguimos caminhando em fé, vendo a Glória de Cristo — ainda que em meros reflexos —, e somos a cada dia transformados em Sua própria semelhança, sendo essa a incessante obra do Espírito Santo em nós!

 

Baseado em Hebreus 11

 

Paráfrase de Caio

 

2003